Play Video
1
Ultimate 8: Heavyweight Knockouts
Ultimate 8: Heavyweight Knockouts
::2013/10/18::
Play Video
2
UFC 175: Extended Preview
UFC 175: Extended Preview
::2014/06/18::
Play Video
3
Fight Night San Jose Free Fight: Matt Brown vs. Erick Silva
Fight Night San Jose Free Fight: Matt Brown vs. Erick Silva
::2014/07/19::
Play Video
4
Ultimate Royce Gracie: Final Fight
Ultimate Royce Gracie: Final Fight
::2014/06/03::
Play Video
5
UFC on Fox 9 Free Fight: Johnson vs. Benavidez
UFC on Fox 9 Free Fight: Johnson vs. Benavidez
::2013/12/09::
Play Video
6
UFC MMA 2014 Ultimate Fighting Championship Highlight
UFC MMA 2014 Ultimate Fighting Championship Highlight
::2014/05/02::
Play Video
7
This August on UFC FIGHT PASS
This August on UFC FIGHT PASS
::2014/07/24::
Play Video
8
UFC 1: Ken Shamrock vs Royce Gracie
UFC 1: Ken Shamrock vs Royce Gracie
::2013/06/06::
Play Video
9
Countdown to UFC 171: Carlos Condit vs. Tyron Woodley
Countdown to UFC 171: Carlos Condit vs. Tyron Woodley
::2014/03/10::
Play Video
10
Invicta Free Fight: Waterson vs. Schuckman
Invicta Free Fight: Waterson vs. Schuckman
::2014/07/11::
Play Video
11
EA SPORTS UFC Gameplay Series - Jose Aldo vs. Anthony Pettis
EA SPORTS UFC Gameplay Series - Jose Aldo vs. Anthony Pettis
::2014/05/27::
Play Video
12
UFC Ultimate Fight Collection 2013: Jones vs. Belfort Preview
UFC Ultimate Fight Collection 2013: Jones vs. Belfort Preview
::2013/10/08::
Play Video
13
UFC 153: Anderson Silva vs Stephan Bonnar
UFC 153: Anderson Silva vs Stephan Bonnar
::2012/10/08::
Play Video
14
UFC 175: Fight Motion
UFC 175: Fight Motion
::2014/07/15::
Play Video
15
UFC 173: Official Weigh-In
UFC 173: Official Weigh-In
::2014/05/24::
Play Video
16
Two Huge Heavyweights Battle in the Biggest Fight in UFC History
Two Huge Heavyweights Battle in the Biggest Fight in UFC History
::2010/06/29::
Play Video
17
Fight Night Dublin: Weigh-in Highlight
Fight Night Dublin: Weigh-in Highlight
::2014/07/18::
Play Video
18
EA Sports UFC - The Ultimate Fighter Gameplay Trailer (PS4/Xbox One)
EA Sports UFC - The Ultimate Fighter Gameplay Trailer (PS4/Xbox One)
::2014/04/30::
Play Video
19
UFC Ultimate Fight Collection 2013: Rousey vs. Carmouche Preview
UFC Ultimate Fight Collection 2013: Rousey vs. Carmouche Preview
::2013/10/22::
Play Video
20
Fight Night Dublin: Official Weigh-Ins
Fight Night Dublin: Official Weigh-Ins
::2014/07/18::
Play Video
21
UFC 172: Fight Motion
UFC 172: Fight Motion
::2014/05/07::
Play Video
22
Análisis UFC 2014 || Ultimate Fighting Championship
Análisis UFC 2014 || Ultimate Fighting Championship
::2014/06/25::
Play Video
23
UFC 177: Dillashaw vs. Barao II Preview
UFC 177: Dillashaw vs. Barao II Preview
::2014/07/21::
Play Video
24
UFC 155: Dos Santos vs Velasquez II Extended Preview
UFC 155: Dos Santos vs Velasquez II Extended Preview
::2012/12/19::
Play Video
25
UFC 174: Brian Stann
UFC 174: Brian Stann's Main Event Breakdown
::2014/06/11::
Play Video
26
TUF 18: Team Rousey vs Team Tate Preview
TUF 18: Team Rousey vs Team Tate Preview
::2013/07/28::
Play Video
27
UFC Road to the Octagon: Lawler vs. Brown
UFC Road to the Octagon: Lawler vs. Brown
::2014/07/20::
Play Video
28
TUF:  KO OF THE SEASON?
TUF: KO OF THE SEASON?
::2013/02/07::
Play Video
29
UFC 169: The BJ Penn Connection
UFC 169: The BJ Penn Connection
::2014/01/29::
Play Video
30
UFC  Ultimate Fighting Championship - Machida vs Mousasi
UFC Ultimate Fighting Championship - Machida vs Mousasi
::2014/03/09::
Play Video
31
Be Bruce Lee - EA SPORTS UFC Gameplay Series
Be Bruce Lee - EA SPORTS UFC Gameplay Series
::2014/05/16::
Play Video
32
UFC 166: Phantom Cam Highlights
UFC 166: Phantom Cam Highlights
::2013/10/24::
Play Video
33
Ultimate Fighting Championship(Sega Dreamcast) Gameplay Video
Ultimate Fighting Championship(Sega Dreamcast) Gameplay Video
::2010/01/27::
Play Video
34
Fight Night Berlin: Gegard Mousasi Octagon Interview
Fight Night Berlin: Gegard Mousasi Octagon Interview
::2014/06/01::
Play Video
35
Fight Night ABQ: Post Fight Press Conference
Fight Night ABQ: Post Fight Press Conference
::2014/06/08::
Play Video
36
UFC 169: Fight Motion
UFC 169: Fight Motion
::2014/02/11::
Play Video
37
UFC 173: Fight Motion
UFC 173: Fight Motion
::2014/06/03::
Play Video
38
Dana White UFC 169 Vlog - Episode 1
Dana White UFC 169 Vlog - Episode 1
::2014/01/28::
Play Video
39
PSX: Ultimate Fighting Championship - Gameplay Video
PSX: Ultimate Fighting Championship - Gameplay Video
::2009/04/08::
Play Video
40
Fight Night Dublin: Post-Fight Press Conference
Fight Night Dublin: Post-Fight Press Conference
::2014/07/19::
Play Video
41
UFC 148 SILVA vs SONNEN II Pre-fight Press Conference
UFC 148 SILVA vs SONNEN II Pre-fight Press Conference
::2012/07/03::
Play Video
42
Artes marciales mixtas  niños | UFC | UFA |Ultimate Fighting Championship |Street Fighter
Artes marciales mixtas niños | UFC | UFA |Ultimate Fighting Championship |Street Fighter
::2014/03/19::
Play Video
43
Gameplay Palooza - Dreamcast - Ultimate Fighting Championship Gameplay
Gameplay Palooza - Dreamcast - Ultimate Fighting Championship Gameplay
::2013/02/14::
Play Video
44
UFC on FOX 11: Pre-fight Press Conference
UFC on FOX 11: Pre-fight Press Conference
::2014/04/17::
Play Video
45
52 Blocks in the UFC (Ultimate Fighting Championship)
52 Blocks in the UFC (Ultimate Fighting Championship)
::2009/08/14::
Play Video
46
Fight Night Macao: Post-fight Press Conference
Fight Night Macao: Post-fight Press Conference
::2014/03/01::
Play Video
47
UFC Fight Night Berlin: Open Workout Highlights
UFC Fight Night Berlin: Open Workout Highlights
::2014/05/29::
Play Video
48
UFC 170: Pre-fight Press Conference
UFC 170: Pre-fight Press Conference
::2014/02/20::
Play Video
49
Fight Night Abu Dhabi: Roy Nelson Octagon Interview
Fight Night Abu Dhabi: Roy Nelson Octagon Interview
::2014/04/12::
Play Video
50
UFC on the Fly: Fight Week Dublin
UFC on the Fly: Fight Week Dublin
::2014/07/18::
MAIS >>
RESULTADOS [51 .. 101]
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
UFC
Ultimate Fighting Championship
Tipo Privada
Indústria Promoção de artes marciais mistas
Fundação 12 de novembro de 1993 (20 anos)
Fundador(es) Art Davie, Rorion Gracie
Sede Estados Unidos Las Vegas, Nevada, Estados Unidos
Proprietário(s) Zuffa, LLC
Presidente Dana White
Pessoas-chave Rorion Gracie, Lorenzo Fertitta, Presidente/CEO
Dana White, Presidente
Marc Ratner, VP de Assuntos Regulatórios
Joe Silva, VP de Relações de Talento/Matchmaker
Empregados Aproximadamente 300 (lutadores)
Significado
da sigla
Ultimate
Fighting
Championship
Página oficial br.ufc.com/
O octógono do Ultimate Fighting Championship
O cinturão de campeão do Ultimate Fighting Championship

O Ultimate Fighting Championship (UFC) é a maior organização de artes marciais mistas do mundo,[1] que contém os maiores lutadores do esporte[2] [3] e produz eventos ao redor de todo o mundo.[4] Com base atualmente nos Estados Unidos, o UFC segue as regras unificadas das artes marciais mistas tendo, atualmente, 8 classes de peso masculinas e 1 feminina.[5] Dana White é o presidente do UFC enquanto Frank Fertitta e Lorenzo Fertitta administram a companhia dona do UFC, a Zuffa, LLC.

O primeiro evento do UFC ocorreu em Denver, Colorado. A proposta do evento era identificar a arte marcial mais efetiva, em uma luta entre competidores de diferentes tipos de luta, incluindo jiu-jitsu brasileiro, boxe, wrestling, muay thai, judô, karatê, tae kwon do, entre outras . Em eventos subsequentes, passaram-se a adotar técnicas efetivas de mais de um tipo de luta, o que se iniciou com o famoso lutador Marco Ruas, o que ajudou a criar um novo estilo de luta que hoje conhecemos como artes marciais mistas.[6]

Com um acordo de televisão a cabo e expansão para Canadá, Europa, Austrália,[7] o Oriente Médio,[8] Ásia,[9] Brasil e novos territórios nos Estados Unidos, o UFC foi ganhando popularidade, junto com muita cobertura da mídia. Desde 2001, os telespectadores podem ver o UFC em pay-per-view nos E.U.A., Brasil, Austrália, Canadá, Nova Zelândia e Itália. O UFC, nos Estados Unidos, também é transmitido pela FX, Fuel TV, Fox, Versus e Fox Sports 1,[10] a ESPN transmite o UFC no Reino Unido e na Irlanda, assim como em 150 países em 22 diferentes línguas ao redor do mundo. O UFC planeja agora continuar sua expansão mundial, apresentando shows constantemente no Reino Unido, no Canadá e no Brasil, estabilizando escritórios na Europa e no Brasil. O UFC também já realizou eventos na Alemanha, na Austrália e nos Emirados Árabes, com planos para realizar eventos no México, nas Filipinas e no Afeganistão.[11]

O UFC também já comprou e absorveu organizações rivais como Pride, World Extreme Cagefighting e Strikeforce.

A transmissão do UFC no Brasil, ocorre por pay-per-view, pelo Canal Combate, que transmite todos os eventos do UFC ao vivo, do canal SporTV, com pesagens e um card preliminar por mês. Ainda ocorrendo transmissão em tv aberta, pela TV Globo, de eventos que ocorrem no Brasil e reprises de eventos importantes, além da transmissão do The Ultimate Fighter Brasil e os eventos com suas finais.

O próximo evento do UFC é o UFC 175 Waidman vs Machida, marcado para 5 de julho de 2014.

História[editar | editar código-fonte]

O logo anterior do UFC, usado entre 1993 e 1999.

Competição inicial – começo dos 1990s[editar | editar código-fonte]

Royce Gracie usou Jiu-jitsu brasileiro nos primeiros anos do UFC para derotar oponente com maior altura e força.

Art Davie propôs para Rorion Gracie e John Milius um torneio mata-mata com oito competidores chamado "War of the Worlds" (Guerra dos Mundos). O torneio foi inspirado por uma série de videos produzidos pela família Gracie no Brasil, aonde os estudantes de Gracie Jiu-Jitsu derrotavam mestres de artes marciais de vários tipo como karate, kung fu e kickboxing. O torneio teria artistas marciais de diferentes artes enfrentando um ao outro em combates sem regras para determinar a melhor arte marcial e iria propagar animação como nas lutas vistas por Davie nos vídeos.[12] John Milius, um notável diretor de filmes e roteirista, assim como estudante dos Gracie, concordou em ser o diretor de criação do evento. Davie fez o plano de negócios e vinte oito investidores contribuíram para o capital inicial para começar a WOW Promotions, com a intenção de desenvolver o torneio em uma franquia de televisão.[13]

Em 1993, a WOW Promotions procurou um parceiro de televisão e se aproximou dos produtores de pay-per-view TVKO (HBO), SET (Showtime) e Campbell McLaren na Semaphore Entertainment Group (SEG). TVKO e SET recusaram a oferta, porém a SEG–uma pioneira em pay-per-view, que já produziu vários tipos de eventos–se tornou a parceira da WOW em maio de 1993.[14] A SEG contatou o diretor de arte de vídeos e filmes Jason Cusson para desenhar o licenciado "Octagon", um símbolo do evento. Cusson se manteve como Designer de Produção até o UFC 27.[12] SEG deu o nome de The Ultimate Fighting Championship ao evento.[15]

WOW Promotions e SEG produziram o primeiro evento, mais tarde chamado de UFC 1, na McNichols Sports Arena em Denver, Colorado no dia 12 de novembro de 1993. Art Davie participou do evento como matchmaker.[16] O show propôs achar uma resposta para perguntas de fãs de esporte como: "Um wrestler pode vencer um boxeador?"[17] Como a maioria dos artistas marciais da época, os lutadores tipicamente tinham habilidades em apenas um tipo de luta e tinham pouca experiência contra oponentes de diferentes tipos.[18]

A transmissão televisiva teve os kickboxers Patrick Smith e Kevin Rosier, o lutador de savate Gerard Gordeau, o expert em karate Zane Frazier, o shootfighter Ken Shamrock, o lutador de sumo Teila Tuli, o boxeador Art Jimmerson e o faixa preta de Jiu-jitsu brasileiro de 79 kg Royce Gracie—irmão mais novo do co-fundador do UFC Rorion Gracie, o qual Rorion escolheu para representar sua família na competição. As habilidades em finalização de Royce Gracie se mostraram as mais efetivas no torneio inaugural, que o deram o primeiro título de torneio do UFC após finalizar Jimmerson, Shamrock e Gordeau em sucessão. O show se provou ser um extremo sucesso com 86.592 compras no pay-per-view.

Porém, os promotores não tinham a intenção de que o evento fosse o precursor de uma série. "O evento era para ser único", disse o eventual presidente do UFC Dana White. "Ele se deu tão bem no pay-per-view que eles decidiram fazer outro e outro. Nunca em um milhão de anos eles pensaram que estavam criando um esporte."[19]

Sem classes de peso, lutadores frequentemente enfrentaram oponentes mais altos e pesados. Keith "The Giant Killer" Hackney enfrentou Emmanuel Yarborough no UFC 3 com uma desvantagem de 23 cm e 180 kg.[20] Muitos artistas marciais acreditavam que técnica poderia ser mais importante que desvantagens em tamanho e peso e um lutador com muita habilidade poderia usar o peso e a força de um oponente contra ele. Com o lutador de 79 kg Royce Gracie vencendo três dos quatro primeiros eventos, o UFC rapidamente provou que o tamanho nem sempre determina o resultado da luta.

Durante esta parte inicial da organização, o UFC mostraria uma grande variação de estilos e lutadores. Além dos mais citados Royce Gracie, Ken Shamrock e Patrick Smith, as competições também contaram com participações do Hall da Fama Dan Severn, além de Marco Ruas, Gary Goodridge, Don Frye, Kimo Leopoldo, Oleg Taktarov e Tank Abbott.

Em abril de 1995, após o UFC 5 em Charlotte, North Carolina, Davie e Gracie venderam suas partes na franquia para a SEG e debandaram a WOW Promotions. Davie continuou com a SEG agendando os eventos e como matchmaker, assim como comissário até dezembro de 1997.

Emergência de regras rigososas[editar | editar código-fonte]

"Big" John McCarthy é o árbitro enquanto Tank Abbott coloca Cal Worsham contra a grade no Ultimate Ultimate 1996.

Apesar do UFC ter usado o slogan "There are no rules!" ("Não há regras!") no começo dos anos 90, eles operavam com regras limitadas. Isso baniu cortes e dedos no olho, além de reprimir movimentos como puxar o cabelo, cabeçadas, ataques na região genital e "pescar".

De fato, em uma luta qualificatória do UFC 4, os competidores Jason Fairn e Guy Mezger concordaram em não puxar os cabelos—como ambos usaram rabos de cavalo no cabelo para a luta. Além disso, o mesmo evento viu uma luta entre Keith Hackney e Joe Son, onde Hackney acertou uma série de golpes na região genital contra Son no chão.

O UFC tinha uma reputação, principalmente nos primeiros eventos, de ser um evento extremamente violento, como mostrou um aviso no começo do UFC 5 que precaviu os espectadores contra a natureza violenta do esporte.

O UFC 5 também teve a primeira luta fora do torneio, uma revanche entre o primeiro e três vezes campeão do UFC Royce Gracie e Ken Shamrock, chamada de "A Superluta". Isto provou ser um importante avanço, porque essas lutas separadas teriam lutadores que não tinham sofrido nenhum dano físico em uma luta anterior do mesmo evento, diferente das lutas do torneio. Lutas únicas se tornariam uma marca do UFC nos anos posteriores.

"A Superluta" começou como uma luta fora do torneio que determinaria o primeiro campeão do UFC para os vencedores do torneio enfrentarem;[21] depois acabou envolvendo um confronto que poderia ter lutas com disputas de título ou sem disputas de título. A "Superluta" eventualmente ficaria totalmente a parte de lutas dos torneios; desde o UFC Brazil, o UFC abandonou o formato de torneio para uma card inteiro de lutas separadas (fora por uma único torneio no UFC Japão, onde só apareceram lutadores japoneses). UFC 6 foi o primeiro evento a coroar um campeão do UFC fora do torneio, Ken Shamrock.

Controvérsia e reforma – fim dos 1990s[editar | editar código-fonte]

A natureza violenta do esporte em crescimento atraiu a atenção de autoridades dos Estados Unidos.[22]

Antes da refoma, o senador John McCain destacadamente se opôs ao UFC.

O senador John McCain (R-AZ) viu uma fita dos primeiros eventos do UFC e imediatamente achou-os repugnantes. O próprio McCain liderou uma campainha para banir o UFC, chamando-o de "lutas de galo humanas" e mandando cartas para os governadores de todos os cinquenta estados dos Estados Unidos pedindo à eles para banir o evento.[23]

Trinta e seis estados promulgaram leis que baniram lutas sem regulamentação, incluindo Nova York, que promulgou o banimento na véspera do UFC 12, forçando uma realocação do evento para Dothan, Alabama.[24] O UFC continuou a ser transmitido no pay-per-view da DirecTV, apesar da audiência se tornar minúscula comparada com as grandes companhias de PPV da época.

Em resposta às críticas, o UFC aumentou sua cooperação com as comissões atléticas estaduais e redesenhou suas regras para remover os elementos menos atrativos de suas lutas enquanto manteve os elementos centrais de golpes e grappling. O UFC 12 viu a introdução de classes de pesos e o banimento da "pescaria". Para o UFC 14, as luvas se tornaram obrigatórias, enquanto chutes na cabeça de um oponente no chão foram banidas. No UFC 15 houveram limitações em puxadas de cabelo e o banimento de golpes atrás do pescoço e da cabeça, cabeçadas, manipulações em pequenas articulações e golpes na virilha. Com rounds de cinco minutos introduzidos no UFC 21, o UFC gradualmente repaginou a si mesmo mais como um esporte do que como um espetáculo. [25]

Liderados pelo comissário do UFC Jeff Blatnick e o árbitro John McCarthy, o UFC continuou a trabalhar com as comissões atléticas estaduais. [26] Blatnick, McCarthy e o matchmaker Joe Silva criaram um manual de políticas, procedimentos, códigos de conduta e regras para ajudar a tornar o UFC sancionado pelas comissões atléticas, muitas das quais existem até hoje.[26] Blatnick e McCarthy viajaram por todo o país, educando e mudando as percepções sobre um esporte que se pensava ser sanguinário e desumano.[26] Em abril de 2000, o movimento dele havia claramente feito um impacto.[26] A Califórnia estava posicionada para ser o primeiro estado dos Estados Unidos a assinar um conjunto de regras para dirigir o MMA[26] Logo após, o estado de Nova Jérsei adotou a mesma posição.[26]

Conforme o UFC continuou a trabalhar com as comissões atléticas, eventos ocorreram em mercados menores dos Estados Unidos, incluindo Iowa, Mississippi, Luisiana, Wyoming e Alabama. A SEG não conseguiu lançamentos em VHS entre o UFC 23 e o UFC 29. Com outras promoções de artes marciais mistas sendo sancionadas dentro do país, a International Fighting Championships (IFC) assegurou o primeiro evento sancionado de MMA nos Estados Unidos, que ocorreu em Nova Jérsei em 30 de setembro de 2000. Apenas dois meses depois, o UFC promoveu seu primeiro evento sancionado, o UFC 28, dentro das "Regras Unificadas" do New Jersey State Athletic Control Board (SACB).[27]

Conforme as regras do UFC começaram a se desenvolver, seu competidores evoluíram também. Lutadores notáveis do UFC nessa era incluem os membros do Hall da Fama Mark Coleman, Randy Couture, Chuck Liddell, Matt Hughes e Tito Ortiz, assim como os notáveis lutadores Vitor Belfort, Mark Kerr, Pedro Rizzo, Murilo Bustamante, Pat Miletich, Frank Shamrock, Mikey Burnett, Jeremy Horn, Pete Williams, Jens Pulver, Evan Tanner, Andrei Arlovski e Wanderlei Silva, entre outros.

Zuffa[editar | editar código-fonte]

Após uma longa batalha para ser sancionado e à beira da falência, o SEG se reuniu com os executivos do Station Casinos, Frank e Lorenzo Fertitta e o promotor de boxe Dana White em 2001. Um mês depois, em janeiro de 2001, os Fertittas e Dana White compraram o UFC por US$ 2.000.000,00 (dois milhões de dólares) e criaram a Zuffa, empresa que passava a ter a patente controladora do campeonato. Tendo relações com a Comissão Atlética de Nevada (Lorenzo Fertitta já havia sido seu membro), a Zuffa conseguiu assegurar aprovação para realizar lutas em Nevada em 2001. Pouco tempo depois, no UFC 33, a competição retornou ao pay-per-view da tv a cabo americana.

O Ultimate continuou crescendo em popularidade após a compra pela Zuffa, devido a fortes propagandas, grandes patrocínios, a volta ao pay-per-view e à venda de DVDs. Com grandes eventos em lugares famosos como o Cassino Trump Taj Mahal e a MGM Grand Garden Arena e com as vendas em pay-per-view voltando a crescer, o Ultimate conseguiu seu primeiro acordo na televisão com a Fox Sports e com o The Best Damn Sport Show, que realizou a primeira luta de artes marciais mistas na televisão a cabo americana, em junho de 2002, no UFC 37.5 (Vitor Belfort vs. Chuck Liddell). Em seguida, a Feature Story News passou a transmitir os melhores momentos das lutas. No UFC 40, as compras de pay-per-view renderam US$ 978.150,00 em uma programação que tinha, como evento principal, a luta entre Tito Ortiz e Ken Shamrock. Apesar do sucesso, o UFC ainda apresentava dívidas e, em 2004, a Zuffa havia perdido US$ 78.500.000 com a compra.

Atualmente, o valor de mercado do UFC gira em torno de US$ 1.000.000.000,00 (um bilhão de dólares). -

Aumento na popularidade[editar | editar código-fonte]

Com o aumento da popularidade dos "reality shows", chegou o momento do UFC ter seu próprio "reality show", o The Ultimate Fighter (TUF). Varias emissoras rejeitaram o projeto, que foi aceito pela Spike TV. Com a oferta de arcar com os 10 milhões de custos com a produção, eles conseguiram fechar o negócio. Em janeiro de 2005, a Spike TV lançou a série e o show se tornou um sucesso imediato, tornando-se um dos programas com mais audiência da Spike TV e transmitindo uma luta memorável entre Forrest Griffin contra Stephan Bonnar nas finais, que ficou conhecida como a luta do ano. Depois dessa temporada, já ocorreram outras 17 temporadas nos Estados Unidos e 2 no Brasil.

Seguido pelo sucesso do reality show, a Spike TV levou ao ar o UFC Unleashed, uma hora de programa semanal, com lutas de diferentes eventos, e também assinou um contrato para transmitir o UFC Fight Night.

Com visibilidade alardente, os números de pay-per-view aumentaram exponencialmente. O UFC 52, primeiro evento após o The Ultimate Fighter, foi vendido para 280.000 pessoas pelo pay-per-view, quase o dobro de seu antigo recorde. A revanche entre Couture e Liddell no UFC 57 teve 410.000 compras de PPV. O Evento UFC 60 que contou com o brasileiro Royce Gracie teve nada menos que 625.000 compras de PPV. UFC 61, teve 775.000. Desde então as vendas do PPV do UFC não param de crescer. A média atual é de mais de um milhão de vendas por eventos, gerando $222,766,000 somente com vendas do PPV em 2006, superando o boxe e a WWE.

O UFC atualmente tem exibido alguns eventos ao vivo na TV Aberta americana. Eles são exibidos pelos canais Fox, FX e Fuel TV. Todas elas já exibiram quatro eventos em TV Aberta cada, sendo a Fox a única a transmitir uma disputa de cinturão. O UFC planeja mais eventos para ambas. A Fuel TV e a FX já têm até a sexta edição encaminhada, enquanto a Fox têm até a quinta

Dominando o mercado[editar | editar código-fonte]

Em março de 2007, os irmãos Fertitta anunciaram a compra do PRIDE Fighting Championships, prometendo manter ambos os eventos e possibilitar um intercâmbio de lutadores. Porém isso não aconteceu, nenhum evento no Japão ocorreu com a organização dos americanos, e o PRIDE foi extinto, tendo o UFC apenas incorporado parte de seus lutadores ao seu elenco. Alguns nomes do PRIDE acabaram indo para organizações menores. Com a extinção do PRIDE e a incorporação de alguns dos seus principais lutadores, o UFC tornou-se indiscutivelmente o mais prestigiado evento de MMA do mundo. Em 2008 foi criado o DREAM, evento japonês tido como o sucessor do antigo PRIDE.[28]

No mês de Outubro de 2010 o presidente do UFC e representante frente a Zuffa Dana White, anunciou que o WEC uma organização de lutadores de pesos inferiores a 70 kg, que pertence a Zuffa iria se fundir com o UFC, a fusão teve inicio oficial em 1º de janeiro de 2011 no UFC 125: Resolution.

Em 14 de Março de 2011, foi anunciado que a Zuffa comprou seu maior rival nos EUA o Strikeforce, o evento porém não será extinto de imediato, até onde o presidente do UFC Dana White afirmou, o evento ocorrera até o fim do contrato com o canal Showtime.[29]

Transmissão no Brasil[editar | editar código-fonte]

O primeiro evento do Uni Disputi transmitido em TV aberta no Brasil foi o UFC 37.5, em 2002 que foi transmitido ao vivo pelo SBT e a luta principal foi a disputa pelo cinturão dos meio-pesados entre Vitor Belfort e Chuck Lidell.

Atualmente os eventos do UFC são transmitidos ao vivo em TV por assinatura via pay-per-view pelo canal Combate e eram reapresentados pelo canal gratuito RedeTV! de 2009 até 2011. Em 28 de agosto de 2011, o UFC Rio teve transmissão ao vivo em TV aberta no Brasil pela RedeTV!, a emissora ficou em segundo lugar e alguns minutos na liderança em audiência nacional, fazendo as emissoras concorrentes terem interesse neste esporte.

No dia 12 de novembro de 2011 ocorreu a primeira transmisão pela Rede Globo, que seria a detentora dos direitos na TV Aberta no Brasil. Até 2012 serão transmitidas todas as competições do Brasil e três do exterior.[30] [31] [32] [33]

Na madrugada entre os dias 26 e 27 de maio (sábado e domingo, respectivamente), a Rede Globo gerou polêmica após transmitir a luta principal do UFC 146 (Júnior Cigano contra Frank Mir) dizendo ser ao vivo, mais de meia hora depois de ela ter ocorrido.[34] [35] [36] Enquanto a luta acontecia no casino MGM Grand Garden Arena, a Globo exibia o filme A Casa das Coelhinhas no Supercine.[37] [38] Por volta de 1h30, a Globo começou a transmissão do evento, e o narrador Sérgio Maurício anunciou a luta como “ao vivo”, 35 minutos após Cigano vencer o combate.[39] [40] Novamente a Globo transmitiu outra edição do UFC, o UFC 148, dizendo ser ao vivo, porém a luta já tinha acabado há cerca de 30 minutos, gerando revolta nos admiradores do esporte.

MMA Feminino[editar | editar código-fonte]

Em 16 de novembro de 2012, véspera do UFC 154, Dana White confirmou que em 2013 o UFC teria uma categoria destinada a o MMA feminino. Dana também anunciou que Ronda Rousey, campeã do Strikeforce, foi a primeira lutadora a assinar com o UFC.

Em 6 de dezembro de 2012, durante a conferência do evento UFC on Fox: Henderson vs. Diaz Dana entregou a Rousey o cinturão de campeã dos pesos-galos e ainda anunciou que ela faria sua primeira defesa de cinturão no UFC 157 contra Liz Carmouche.

Regras[editar | editar código-fonte]

Divisões de Peso[editar | editar código-fonte]

O UFC se divide nessas categorias de pesos:

  • Peso Mosca (Flyweight) - até 56,7 kg / 125 lb
  • Peso Galo (Bantamweight) - até 61,2 kg / 135 lb
  • Peso Pena (Featherweight) - até 65,8 kg / 145 lb
  • Peso Leve (Lightweight) - até 70,3 kg / 155 lb
  • Peso Meio-Médio (Welterweight) - até 77,6 kg / 170 lb
  • Peso Médio (Middleweight) - até 83,9 kg / 185 lb
  • Peso Meio-Pesado (Light Heavyweight) - até 93,0 kg / 205 lb
  • Peso Pesado (Heavyweight) - até 120,2 kg / 265 lb

Regras básicas[editar | editar código-fonte]

Os lutadores se enfrentam num ringue de oito cantos com três assaltos de 5 minutos, em caso de decisão de título e luta principal com cinco assaltos de 5 minutos.

Os resultados das lutas se definem com:

  • Desqualificação - Acontece quando um dos lutadores aplica de forma intencional algum golpe ilegal (como cabeçadas, golpes na região genital, golpes na região anterior à cabeça, entre outros) ou realiza algum movimento proibido de acordo com as regras (segurar nas grades seguidamente, por exemplo). Caso o combate não possa prosseguir, ou o lutador insista em não obedecer às regras, ele será desclassificado.
  • Finalização - Ocorre quando um lutador recebe uma técnica característica da luta no chão (jiu jitsu, judo, sambo), tais como chaves e estrangulamentos, e demonstra clara desistência, através de batidas no chão do ringue (com os pés ou mãos) ou verbalmente.

Ps: No caso de estrangulamentos, caso o lutador não desista, ele pode desmaiar. Se isso acontecer, o arbitro irá intervir, e será decretada a finalização da mesma forma.

  • Nocaute - Ocorre quando um lutador recebe um golpe legal e fica inconsciente.
  • Nocaute Técnico - Pode ocorrer de diversas formas:

Decisão médica - Ocorre quando o médico julga que o lutador não pode continuar no combate, devido a um corte ou lesão. Portanto, o médico pode encerrar o combate se julgar que a integridade física do lutador estará ameaçada caso continue. Esta decisão não depende do lutador, portanto, por mais que ele queira continuar, se o médico determinar o fim do combate, será a decisão final.

Interrupção do árbitro - Neste caso, o árbitro do ringue encerra a luta por achar que um lutador não está mais se defendendo ou esboçando qualquer reação.

Lesão - Neste caso, o próprio lutador manifesta desistência, ou o árbitro do ringue encerra a luta, sem necessidade de consulta ao médico. Ocorre em casos de lesões mais visíveis, como fraturas ou graves torções.

  • Decisão do júri - Ao término dos 3 ou 5 rounds, 3 juízes decidirão quem é o vencedor. Para isso, eles se utilizam de diversos critérios: agressividade, contundência em pé, domínio no chão, trocações efetivas, agarramentos efetivos, controle da área do ringue e de luta, defesa,etc.

The Ultimate Fighter[editar | editar código-fonte]

The Ultimate Fighter (TUF) é um reality show de artes marciais mistas (MMA) transmitido pela Spike TV, sendo integrado ao Ultimate Fighting Championship (UFC). Neste show, os lutadores de MMA profissionais ou amadores que ainda não têm um grande nome competem entre si para ver quem será o The Ultimate Fighter, ganhando um contrato com UFC para fazer seis lutas oficiais, os lutadores ficam confinados em uma casa em Las Vegas e treinam na academia do TUF.

Com exceção do finais da temporada, as lutas no The Ultimate Fighter são sancionadas pela Comissão Atlética de Nevada como amistosos e não contam a favor ou contra o cartel de nenhum lutador. Isso é feito para evitar que os resultados sejam levados à público antes de irem ao ar.

As lutas variam entre dois e três rounds, dependendo das regras utilizadas para cada temporada. Na maioria das temporadas, combates preliminares (antes das semi-finais) possuem dois rounds, na segunda temporada todos os combates tiveram três rounds. Para os combates de dois rounds, se houver um empate após os rounds, um round extra de cinco minutos ("vitória súbita") é disputado. Se o round extra conclui sem uma paralisação, a decisão dos juízes será baseada nesse round final. Durante as finais de cada temporada, as lutas têm o padrão de três rounds, além de um quarto round se os juízes marcarem um empate.

Eventos do UFC[editar | editar código-fonte]

Time de apresentação[editar | editar código-fonte]

Estados Unidos

A ring girl Arianny Celeste

O comediante e faixa preta de Jiu-Jitsu brasileiro[41] Joe Rogan e o narrador Mike Goldberg são os apresentadores durante as transmissões de quase todos os eventos do UFC. A "Voz Veterana do octógono" é o apresentador Bruce Buffer.[42] Arianny Celeste e Brittney Palmer são as ring girls.[43] Cada lutador tem um cutman indicado pela promoção que cuida do lutador antes da luta e entre os rounds. Jacob "Stich" Duran é um dos melhores cutmen conhecidos que trabalham para a organização.[44] As lutas são escolhidas pelo matchmaker e vice-presidente de Relações, Joe Silva.[45] Burt Watson é o gerente de produção para todos os eventos do UFC, incluindo pesagens de lutadores e outros eventos públicos realizados antes das lutas que freqüentemente atraem multidões de fãs e jornalistas.[46] [47]

Brasil

A transmissão no Brasil pelo Canal Combate é narrada pelo, Rhodes Lima, com comentários de Carlão Barreto, ex-lutador e árbitro internacional, além de entrevistas realizadas por Luciano Andrade, comentarista de longa data do antes chamado "Premiere Combate", sendo as lutas também narradas por vezes por Sérgio Maurício.[48] Com a adição do MMA Feminino ao UFC, o Combate contratou a experiente lutadora de MMA e jiu-jitsu Kyra Gracie para atuar como comentarista. Em Janeiro de 2013, o UFC passou a utilizar, além das ring girls dos Estados Unidos, ring girls brasileiras em alguns eventos do Brasil e no The Ultimate Fighter Brasil 2.[49] como o caso de Camila Oliveira e Jhenny Andrade.

Salários e contratos dos lutadores[editar | editar código-fonte]

Um lutador de UFC geralmente não tem um salário específico. Eles são pagos por luta, com valores dependendo de quão bem conhecidos os lutadores são e como bem patrocinados o lutador e o evento são. Os lutadores normalmente recebem dinheiro para lutar com uma bonificação adicional em caso de vitória. Bônus em dinheiro também são concedidos para a "Luta da Noite", "Nocaute da Noite" e "Finalização da Noite". O tamanho destes bônus é de US$ 50,000, e, para os lutadores menos conhecidos, eles podem ser várias vezes maior do que o valor contratado para a luta.[50] Valores de contrato geralmente têm de ser declaradas à Comissão Atlética do Estado onde é realizado o evento, no entanto, o UFC também paga bônus não revelados aos atletas.[51] Nos últimos anos, contratos de lutadores do UFC e direitos de merchandising têm sido objeto de disputa entre lutadores (representado pelo crescimento do Mixed Martial Arts Fighters Association) e o UFC, que tem tentado defender regulamentos existentes.[52]

Atuais campeões[editar | editar código-fonte]

Masculino

Categoria Peso Lutador Campeão desde Próxima Defesa Defesas de título
Peso Pesado até 120.2 kg Estados Unidos Cain Velasquez (31 anos) 29 de dezembro de 2012 (UFC 155) vs. Brasil Fabrício Werdum - 15 de novembro de 2014 (UFC 180) 2
Meio-Pesado até 93.0 kg Estados Unidos Jon Jones (27 anos) 19 de março de 2011 (UFC 128) vs. Estados Unidos Daniel Cormier - 27 de setembro de 2014 (178) 7
Peso Médio até 83.9 kg Estados Unidos Chris Weidman (30 anos) 6 de julho de 2013 (UFC 162) vs. Brasil Vitor Belfort - 06 de dezembro de 2014 (UFC 181) 2
Meio-Médio até 77.1 kg Estados Unidos Johny Hendricks (30 anos) 15 de março de 2014 (UFC 171) Sem lutas marcadas 0
Peso Leve até 70.3 kg Estados Unidos Anthony Pettis (27 anos) 31 de agosto de 2013 (UFC 164) vs. Estados Unidos Gilbert Melendez - 06 de dezembro de 2014 (UFC 181) 0
Peso Pena até 65.8 kg Brasil José Aldo (27 anos) 18 de novembro de 2009 (WEC 51) Sem lutas marcadas 6
Peso Galo até 61.2 kg Estados Unidos T.J. Dillashaw (28 anos) 24 de maio de 2014 (UFC 173) vs. Brasil Renan Barão - 30 de agosto de 2014 (UFC 177) 0
Peso Mosca até 56.7 kg Estados Unidos Demetrious Johnson (27 anos) 22 de setembro de 2012 (UFC 152) vs. Estados Unidos Chris Cariaso - 30 de agosto de 2014 (UFC 177) 4

Feminino

Categoria
Peso
Lutadora
Campeão desde
Próxima Defesa
Defesas de título
Peso Galo até 61.2 kg Estados Unidos Ronda Rousey (27 anos) 6 de dezembro de 2012 (Strikeforce: Tate vs. Rousey) Sem lutas marcadas 4


Lutadores e personalidades notáveis[editar | editar código-fonte]

Hall da Fama do UFC[editar | editar código-fonte]

Nome Data de Introdução
Brasil Royce Gracie 21 de novembro de 2003 (UFC 45)
Estados Unidos Ken Shamrock 21 de novembro de 2003 (UFC 45)
Estados Unidos Dan Severn 16 de abril de 2005 (UFC 52)
Estados Unidos Randy Couture 24 de junho de 2006 (The Ultimate Fighter 3 Finale)
Estados Unidos Mark Coleman 1 de março de 2008 (UFC 82)
Estados Unidos Chuck Liddell 11 de julho de 2009 (UFC 100)
Estados Unidos Charles Lewis, Jr. 11 de julho de 2009 (UFC 100)
Estados Unidos Matt Hughes 29 de maio de 2010 (UFC 114)
Estados Unidos Tito Ortiz 7 de julho de 2012 (UFC 148)
Estados Unidos Stephan Bonnar 6 de julho de 2013 (UFC 162)
Estados Unidos Forrest Griffin 6 de julho de 2013 (UFC 162)

O presidente do UFC Dana White anunciou que até o momento, é certo que lutadores do UFC como Anderson Silva, Georges St-Pierre,Vitor Belfort, Dan Henderson e BJ Penn serão eventualmente introduzido no hall da fama, provavelmente antes de qualquer outro lutador.

Mídia[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

  • UFC: Ultimate Beat Downs, Vol. 1, um álbum de musica licenciado e inspirado pelo UFC.

Video games[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2007, a Zuffa e a desenvolvedora de jogos THQ anunciaram um acordo de licença dando THQ direitos mundiais para desenvolver títulos com a marca do UFC. O acordo dá a THQ direitos exclusivos para consoles atuais e de próxima geração, bem como de títulos de PC e portáteis. O acordo de licenciamento foi definido para expirar em 2011, embora ele ter sido estendido para 2017. Em 6 de junho de 2012, durante a Exposição E3, a THQ anunciou que vai dar a licença de UFC Undisputed para EA. O movimento surgiu meses depois do lançamento do UFC Undisputed 3, que a THQ sentiu não fazer um bom lucro para a compania. UFC 4 contará com lutadores do Strikeforce.

DVD[editar | editar código-fonte]

Cada evento de pay-per-view do UFC foi lançado em DVD. Do UFC 23 ao UFC 29 não foram lançados nos EUA em vídeo ou DVD pelo SEG. Eles já foram liberados para boxsets que apresentam cerca de 10 eventos cada set, em ordem cronológica.

Xbox Live[editar | editar código-fonte]

UFC on Xbox Live foi lançado em 20 de dezembro de 2011. Assinantes da Xbox Live podem assistir os eventos pay-per-view em alta definição (720p), acessar uma biblioteca de conteúdo de vídeo ao vivo e on-demand, se conectar com amigos para prever resultados de luta e podem comparar as estatísticas de combate e recordes dos lutadores. Outras funções também estão disponíveis.[53]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Josh (20 de março de 2011). UFC buys rival Strikeforcelast=Gross (em inglês). ESPN.com. Página visitada em 2 de julho de 2002.
  2. What is MMA and the UFC? Ultimate Fighting Championship. Acessado em 31 de Dezembro, 2011.
  3. Sherdog.com's Pound-for-Pound Top 10
  4. The UFC's Ambitious Global Expansion Plans Could Reap Huge Benefits and Revenues
  5. UFC.com: Regras do UFC
  6. BleacherReport.com: Royce Gracie's Legacy, BJJ's Relevance on the Decline in Modern MMA
  7. Australia: destino anual para o UFC MMAJunkie.com.
  8. Dana White sobre UFC em Abu Dhabi, Afeganistão e GSP vs. Silva. MMAFighting.com.
  9. UFC anuncia operações na Ásia, executivo da NBA Mark Fisher nomeado lider. MMAJunkie.com.
  10. É Oficial: UFC e Fox Juntos Nos Estados Unidos. MMAJunkie.com.
  11. UFC de olho no Afeganistão e na China Yahoo! Sports.
  12. a b Gentry III, Clyde, No Holds Barred: Ultimate Fighting and the Martial Arts Revolution, Milo Books, 2003, paperback edition, ISBN 1-903854-30-X, pp. 38–39.
  13. Gentry III, Clyde, No Holds Barred: Evolution, Archon Publishing, 2001, 1st ed., ISBN 0-9711479-0-6, pages 24–29.
  14. Gentry III, Clyde, No Holds Barred: rEvolution, Archon Publishing, 2001, 1st ed., ISBN 0-9711479-0-6, page 41
  15. Gentry III, Clyde, No Holds Barred: Evolution, Archon Publishing, 2001, 1st Edition, ISBN 0-9711479-0-6, page 29
  16. Newport, John Paul, "Blood Sport", Details, March 1995, pages 70–72.
  17. Willoughby, David P., The Super Athletes, A.S. Barnes & Co., Inc., 1970, ISBN 0-498-06651-7, page 380.
  18. Gentry, Clyde, No Holds Barred: Ultimate Fighting and the Martial Arts Revolution, (Milo Books: Preston, 2005), p.73
  19. Strickland, Jonathan. How the Ultimate Fighting Championship Works. HowStuffWorks.com. Página visitada em July 2, 2011.
  20. Fight card for UFC 3, Sherdog.com. Fighter profile for Keith Hackney, Sherdog.com. Fighter profile for Emmanuel Yarborough, Sherdog.com. Last retrieved December 5, 2006
  21. Meltzer, Dave (April 8, 2009). Relive UFC 6: Clash of the Titans. Sports.yahoo.com. Página visitada em April 8, 2009.
  22. Flegenheimer, Matt. "No Resolution for Mixed Martial Arts", 26 de junho de 2011. Página visitada em 31 de dezembro de 2011.
  23. Plotz, David. "Fight Clubbed", Slate.com, 7 de novembro de 1999. Página visitada em 21 de março de 2007.
  24. Gentry III, Clyde, No Holds Barred: Ultimate Fighting e a revolução das artes marciais, Milo Books, 2003, Paperback Edition, ISBN 1-903854-30-X, páginas 106, 123
  25. "História do UFC", 20 de novembro de 2007. Página visitada em 20 de janeiro de 2008.
  26. a b c d e f 10:51. O amor pelo grappling definiu Jeff Blatnick - Blog de Artes Marciais Mistas - ESPN. Espn.go.com. Página visitada em 19 de novembro de 2012.
  27. Trembow, Ivan. A comissão de New Jersey Commission realiza o objetivo principal do UFC. Ivan's Blog.
  28. Gazeta do Povo - acessado em 3/2/2012.
  29. UFC officially announces Strikeforce purchase, Fertitta says Coker to run promotion (em inglês). MMA Junkie (14 de março de 2011). Página visitada em 22 de dezembro de 2011.
  30. Globo vence duelo por direitos de transmissão do UFC. PB Agora (28/10/2011). Página visitada em 29/10/2011.
  31. Rede Globo anuncia acordo para transmitir lutas do UFC no Brasil. iG (27/10/2011). Página visitada em 29/10/2011.
  32. Rede Globo transmitirá, com exclusividade, o UFC para o Brasil. Globo Esporte (27/10/2011). Página visitada em 29/10/2011.
  33. Globo vai transmitir o UFC. AdNews (28/10/2011). Página visitada em 29/10/2011.
  34. UFC | Globo passa videotape da luta de Cigano e gera polêmica na internet
  35. Globo troca Cigano por Coelhinhas, passa VT por ao vivo e irrita fãs
  36. Globo não transmite ao vivo luta de Júnior Cigano e vira trend topic mundial
  37. Globo não transmite UFC como anunciado e revolta fãs
  38. UFC: Cigano nocauteia Mir no 2º round e mantém o cinturão
  39. ‘Casa das Coelhinhas’ frustra fãs de MMA e Globo não transmite Cigano x Mir ao vivo
  40. Globo transmite VT da luta de Cigano como ao vivo e revolta telespectadores
  41. Joe Rogan: Information from. Answers.com.
  42. Hackler, Tracy. "MMA's Bruce Buffer Makes a Name for Himself", ESPN Página 2, 27 de Agosto, 2010.
  43. UFC Octagon Girls UFC.com
  44. Borges, Ron. "Cutman has made mark", Boston Herald, 29 de Agosto, 2010.
  45. Kid Nate. "How the UFC Books Fights", Bloodyelbow.com, 3 de Setembro, 2010.
  46. Duran, Jacob. "BURT WATSON: The Busiest Man in the UFC", Xyience News: Coaches Corner, 12 de Junho, 2009.
  47. Bolender, Derek. "UFC site coordinator Burt Watson: "I like it when it's wacky, baby. It's what we do."", MMAjunkie.com, 15 de Fevereiro, 2011.
  48. Canal Combate comemora dez anos.
  49. SporTV.com: Ring girl brasileira do UFC intensifica malhação para brilhar em Fortaleza
  50. UFC Post-Fight Bonuses Now Set at $50,000 for Every Event. MMA Weekly (13 de Abril 2013).
  51. UFC 100 fighters salaries: Lesnar and St. Pierre get top paydays in $1.8 million payroll. MMAjunkie.com.
  52. Zwick, Jesse. "No Holds Barred: Labor turmoil in the world of mixed martial arts.", The New Republic, 30 de Maio, 2012.
  53. Xbox Live's Major Nelson » UFC on Xbox LIVE launching December 1st.. Majornelson.com (7 de Outubro, 2011).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Conteúdo da Wikipedia está licenciado sob a: GFDL License
Powered by YouTube