Play Video
1
Recruta na Força Aérea
Recruta na Força Aérea
::2011/05/22::
Play Video
2
Força Aérea Portuguesa (FAP)
Força Aérea Portuguesa (FAP)
::2011/03/22::
Play Video
3
Preparação dos dois aviões F-16 (F-16 Fighting Falcon) na Base Aérea nº5 de Monte Real, Leiria
Preparação dos dois aviões F-16 (F-16 Fighting Falcon) na Base Aérea nº5 de Monte Real, Leiria
::2013/01/02::
Play Video
4
Filme - ALOUETTE III 50 anos de operação na Força Aérea Portuguesa
Filme - ALOUETTE III 50 anos de operação na Força Aérea Portuguesa
::2013/12/11::
Play Video
5
Aeronaves não tripuladas da Força Aérea Portuguesa (UAV - Unmanned Aerial Vehicle) - Reportagem SIC
Aeronaves não tripuladas da Força Aérea Portuguesa (UAV - Unmanned Aerial Vehicle) - Reportagem SIC
::2014/03/03::
Play Video
6
F16`s da Força Aerea Portuguesa-Portuguese Air Force F16`s
F16`s da Força Aerea Portuguesa-Portuguese Air Force F16`s
::2010/04/13::
Play Video
7
Heróis CM 2014 - Força Aérea Portuguesa
Heróis CM 2014 - Força Aérea Portuguesa
::2014/05/30::
Play Video
8
Hino da Força Aérea Portuguesa
Hino da Força Aérea Portuguesa
::2012/12/28::
Play Video
9
1º voo solo dos Cadetes da Academia da Força Aérea - Reportagem TVI
1º voo solo dos Cadetes da Academia da Força Aérea - Reportagem TVI
::2010/04/01::
Play Video
10
F-16    Força   Aérea  Portuguesa        Portugal Air Show 2009 Évora
F-16 Força Aérea Portuguesa Portugal Air Show 2009 Évora
::2009/09/21::
Play Video
11
Reportagem SIC sobre formação de pilotos da Força Aérea
Reportagem SIC sobre formação de pilotos da Força Aérea
::2014/06/16::
Play Video
12
Força Aérea Portuguesa "Prontos para Acção"
Força Aérea Portuguesa "Prontos para Acção"
::2011/04/27::
Play Video
13
Força Aérea Portuguesa no exercício internacional TLP
Força Aérea Portuguesa no exercício internacional TLP
::2014/01/23::
Play Video
14
Cumprir Além do Dever
Cumprir Além do Dever
::2011/05/22::
Play Video
15
EADS C-295M Força Aérea Portuguesa - Coimbra
EADS C-295M Força Aérea Portuguesa - Coimbra
::2013/09/05::
Play Video
16
TV Record mostra a formação de um piloto da Força Aérea - Episódio I
TV Record mostra a formação de um piloto da Força Aérea - Episódio I
::2014/05/15::
Play Video
17
Filme histórico - Frota C-295M da Força Aérea Portuguesa
Filme histórico - Frota C-295M da Força Aérea Portuguesa
::2012/12/11::
Play Video
18
A Banda da Força Aérea em Concerto
A Banda da Força Aérea em Concerto
::2013/10/05::
Play Video
19
Força Aérea Portuguesa versão portuguesa
Força Aérea Portuguesa versão portuguesa
::2014/07/11::
Play Video
20
Força Aérea Portuguesa - Recruta e Juramento de Bandeira  21.09.1998 1-8
Força Aérea Portuguesa - Recruta e Juramento de Bandeira 21.09.1998 1-8
::2011/03/17::
Play Video
21
As primeiras (com Paula Costa, primeira mulher piloto militar da Força Aérea Portuguesa)
As primeiras (com Paula Costa, primeira mulher piloto militar da Força Aérea Portuguesa)
::2011/01/17::
Play Video
22
Fiat G.91 - Força Aérea Portuguesa
Fiat G.91 - Força Aérea Portuguesa
::2011/07/16::
Play Video
23
Esquadra 751, Força Aérea Portuguesa - Reportagem TVI
Esquadra 751, Força Aérea Portuguesa - Reportagem TVI
::2012/01/23::
Play Video
24
Marcha dos Especialistas da Força Aérea Portuguesa
Marcha dos Especialistas da Força Aérea Portuguesa
::2010/04/25::
Play Video
25
Perdido e Achados-Asas de Portugal(patrulha acrobática da força aérea)
Perdido e Achados-Asas de Portugal(patrulha acrobática da força aérea)
::2012/07/22::
Play Video
26
f-16. força aerea portuguesa
f-16. força aerea portuguesa
::2007/06/19::
Play Video
27
Academia da Força Aérea Portuguesa
Academia da Força Aérea Portuguesa
::2011/01/02::
Play Video
28
Bom Natal - Votos da Força Aérea Portuguesa
Bom Natal - Votos da Força Aérea Portuguesa
::2013/12/19::
Play Video
29
António Reis Gomes apresenta:  Marcha Militar (ensaio) pela Banda da Força Aérea Portuguesa
António Reis Gomes apresenta: Marcha Militar (ensaio) pela Banda da Força Aérea Portuguesa
::2009/12/18::
Play Video
30
F-16 20º Aniversário Força Aérea Portuguesa.
F-16 20º Aniversário Força Aérea Portuguesa.
::2014/07/19::
Play Video
31
EH 101 MERLIM FORÇA AÉREA PORTUGUESA
EH 101 MERLIM FORÇA AÉREA PORTUGUESA
::2013/08/29::
Play Video
32
TOP 8 forzas aéreas de LATINO AMERICA e PORTUGAL 2014 gripen ng
TOP 8 forzas aéreas de LATINO AMERICA e PORTUGAL 2014 gripen ng
::2013/12/22::
Play Video
33
Força Aérea Portuguesa 56º Aniversário Açores.
Força Aérea Portuguesa 56º Aniversário Açores.
::2011/04/27::
Play Video
34
Academia da Força Aérea - SIC
Academia da Força Aérea - SIC
::2007/04/06::
Play Video
35
Aniversário do Centro de Treino Cinófilo da Força Aérea
Aniversário do Centro de Treino Cinófilo da Força Aérea
::2012/07/23::
Play Video
36
f86 - Força Aérea Portuguesa FS9
f86 - Força Aérea Portuguesa FS9
::2011/09/23::
Play Video
37
Comemorações do Dia da Força Aérea
Comemorações do Dia da Força Aérea
::2014/07/01::
Play Video
38
Cerimónia do Juramento de Bandeira 2014
Cerimónia do Juramento de Bandeira 2014
::2014/01/20::
Play Video
39
Aeroporto Madeira Força Aérea Portuguesa  F-16 - Portuguese Air Force - TAP Portugal.
Aeroporto Madeira Força Aérea Portuguesa F-16 - Portuguese Air Force - TAP Portugal.
::2010/07/03::
Play Video
40
FAP 2013 FORÇA AÉREA PORTUGUESA
FAP 2013 FORÇA AÉREA PORTUGUESA
::2013/02/12::
Play Video
41
Força Aérea Portuguesa - 43º Aniversário
Força Aérea Portuguesa - 43º Aniversário
::2014/01/12::
Play Video
42
Real Thaw 2014 - Polícia Aérea - Segurança e prevenção no exercício
Real Thaw 2014 - Polícia Aérea - Segurança e prevenção no exercício
::2014/02/07::
Play Video
43
Hino - Força Aérea Portuguesa
Hino - Força Aérea Portuguesa
::2010/02/20::
Play Video
44
Asas de Portugal ( Força aerea portuguesa)
Asas de Portugal ( Força aerea portuguesa)
::2007/08/03::
Play Video
45
Avião Não-Tripulado - Tecnologia desenvolvida pela Força Aérea testada no Porto Santo
Avião Não-Tripulado - Tecnologia desenvolvida pela Força Aérea testada no Porto Santo
::2013/11/13::
Play Video
46
TV Record mostra a formação de um piloto da Força Aérea - Episódio II
TV Record mostra a formação de um piloto da Força Aérea - Episódio II
::2014/05/15::
Play Video
47
F16 Força Aérea Portuguesa NOS Air Race
F16 Força Aérea Portuguesa NOS Air Race
::2014/07/06::
Play Video
48
FORÇA AEREA- OTA: Reportagem Vídeo
FORÇA AEREA- OTA: Reportagem Vídeo
::2010/01/27::
Play Video
49
Abertura do Ano Letivo da Academia da Força Aérea 2012/ 2013
Abertura do Ano Letivo da Academia da Força Aérea 2012/ 2013
::2012/11/30::
Play Video
50
Juramento de Bandeira na Academia da Força Aérea
Juramento de Bandeira na Academia da Força Aérea
::2012/06/06::
MAIS >>
RESULTADOS [51 .. 101]
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde fevereiro de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2012).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.


Força Aérea Portuguesa
Brasão da FAP.png
Brasão da FAP
País  Portugal
Corporação Forças Armadas de Portugal
Subordinação Ministério da Defesa Nacional
Missão Defesa Aérea de Portugal
Sigla FAP
Criação 1952
Aniversários 1 de Julho
Marcha Hino da Força Aérea Portuguesa
Lema Ex Mero Motu
História
Guerras/batalhas Primeira Guerra Mundial
Guerra Colonial Portuguesa
Insígnias
Cocar Insíngia da Força Aérea Portuguesa
Distintivo de cauda Portugal Air force fin flash.svg
Comando
Chefe do Estado-Maior
da Força Aérea
General José António de Magalhães Araújo Pinheiro[1]
Sede
Quartel General Lisboa
Internet Sítio oficial

A Força Aérea Portuguesa (FAP) é o ramo aéreo das Forças Armadas Portuguesas. As suas origens remontam a 1912, altura em que começaram a ser constituídas as aviações do Exército e da Marinha. Em 1 de Julho de 1952, as aviações do Exército (Aeronáutica Militar) e da Marinha (Aviação Naval) foram fundidas num ramo independente denominado Força Aérea Portuguesa.

Missão[editar | editar código-fonte]

A FAP tem como missões principais a defesa do espaço aéreo nacional e a cooperação com os outros ramos das Forças Armadas na defesa militar da Nação. Tem ainda como missões complementares a participação em missões no âmbito de compromissos internacionais e de interesse público de Portugal[2]

Pontos fulcrais[editar | editar código-fonte]

  • Gerar poder aéreo e uma capacidade de resposta eficaz;
  • A segurança como fator crítico da missão;
  • O valor das pessoas;
  • A qualidade dos meios;
  • Uma organização ágil, flexível e inovadora;
  • Uma cultura de serviço, empenhada no cumprimento da missão;
  • Uma força coesa, motivada e disciplinada;
  • Sentido de pertença, credibilidade e relevância;
  • Prestígio nacional.

História[editar | editar código-fonte]

Um caça F16A da FAP, preparando-se para ser reabastecido em voo
Atuação da patrulha acrobática Asas de Portugal
Reabastecimento de um caça F-84 da FAP em Angola, durante a Guerra do Ultramar
Aviões de luta anti-submarina P-2 Neptune da FAP, estacionados em Angola, durante a Guerra do Ultramar
Lançamento de pára-quedistas de um Alouette III da FAP, num heliassalto durante a Guerra do Ultramar
Antigo caça-bombardeiro Fiat G-91 da FAP

Cronologia Histórica[editar | editar código-fonte]

  • 1909 – É fundado o Aero Club de Portugal, por um grupo de oficiais do Exército, com o objectivo de promover o desenvolvimento da Aeronáutica em Portugal, bem como o seu uso militar
  • 1911 – No âmbito da nova organização geral do Exército Português, decretada a 25 de maio de 1911, é criada a Companhia de Aerosteiros, a primeira unidade militar aeronáutica portuguesa, que se instala em Vila Nova da Rainha no concelho da Azambuja. A unidade tinha por missão assegurar as comunicações militares pelo meio da aerostação, aviação e pombos correios[carece de fontes?]
  • 1912 – A título experimental, são integrados, na Companhia de Aerosteiros, os primeiros aviões, o primeiro dos quais um Deperdussin B, nascendo assim a aviação militar portuguesa
  • 1914 – No Exército Português é criado o Serviço Aeronáutico Militar e a Escola Militar de Aeronáutica (EMA), instalada em Vila Nova da Rainha, junto à Companhia de Aerosteiros
  • 1917 – Na Marinha, é criado o Serviço e Escola de Aviação da Armada, bem como a primeira base aeronaval, o Centro de Aviação Marítima do Bom Sucesso, em Lisboa
  • 1917 – No âmbito da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial é prevista a criação dos Serviços de Aviação do Corpo Expedicionário Português que não chegam a ser activados. A maioria dos militares enviados para França para formarem o serviço integram-se em unidades de aviação francesas e britânicas, onde se tornam os primeiros aviadores portugueses a entrar em combate
  • 1917 – É enviada para Moçambique uma Esquadrilha Expedicionária para participar nas operações contra os alemães. A esquadrilha torna-se uma das primeiras unidades de aviação militar de África
  • 1918 – A aviação do Exército é reorganizada, passando a denominar-se Serviço de Aeronáutica Militar e integrando a Direcção de Aeronáutica directamente dependente do Ministro da Guerra, as Escolas Militares de Aviação e de Aerostação, as Tropas Aeronáuticas (de Aviação e de Aerostação) e o Parque de Material de Aeronáutica
  • 1918 – O Serviço de Aviação da Armada é reorganizado e passa a designar-se Serviços da Aeronáutica Naval
  • 1919 – É criado o Grupo de Esquadrilhas de Aviação "República" (GEAR) na Amadora. O GEAR é a primeira unidade operacional de aviação militar em Portugal, integrando esquadrilhas de combate (caças), de bombardeamento e de observação
  • 1924 – Pelo Decreto n.º 10 094 de 26 de setembro de 1924, a aeronáutica do Exército passa a arma independente (em igualdade com a Cavalaria, Infantaria, Artilharia e Engenharia) com a designação de "Arma de Aeronáutica Militar"
  • 1931 – Os Serviços da Aeronáutica Naval são transformados nas Forças Aéreas da Armada
  • 1937 – A Aeronáutica Militar é reorganizada, passando a dispor de um comando autónomo, designado "Comando-Geral da Arma da Aeronáutica", o que a torna praticamente num ramo independente, apesar de se manter administrativamente dependente do Exército. Anexo ao Comando-Geral é criado o Comando Terrestre de Defesa Aérea. Na nova organização os principais aeródromos militares passam a ser designados Bases Aéreas
  • 1941 – Com o fim de defender a neutralidade e a soberania portuguesa nos Açores, juntamente com outras forças militares, começam a ser enviadas Esquadrilhas Expedicionárias para o Arquipélago
  • 1950 – É criado o cargo de subsecretário de Estado da Aeronáutica, na direta dependência do ministro da Defesa Nacional com o objectivo de passar a tutelar toda a aviação militar portuguesa. No entanto, o cargo só será provido quando da criação das forças aéreas como ramo independente em 1952
  • 1952 – Através da Lei nº 2055 de 27 de Maio de 1952 a Aeronáutica Militar é organizada como ramo independente das Forças Armadas, sendo composta por forças aéreas independentes e por forças aéreas de cooperação com o Exército e com a Marinha. A Aeronáutica Militar é administrada, no plano governamental, pelo subsecretário de Estado da Aeronáutica e comandada superiormente pelo chefe do Estado-Maior das Forças Aéreas. Na nova Aeronáutica Militar são integradas as anteriores Aeronáutica do Exército e Aviação Naval, mas esta última mantém-se à disposição da Marinha para efeitos de instrução e de emprego operacional. Considera-se este o marco da criação da Força Aérea Portuguesa;
  • 1955 – No seio das forças aéreas, é ativado oficialmente o Batalhão de Caçadores Paraquedistas, a primeira unidade de tropas pára-quedistas das Forças Armadas Portuguesas
  • 1956 – Através do Decreto-Lei nº 40 949 de 28 de dezembro de 1956, as forças aéreas são reorganizadas, sendo oficializado o termo "Força Aérea" (no singular) como designação oficial do ramo, em alternativa ao de "Aeronáutica Militar" que irá cair em desuso. O território nacional metropolitano e ultramarino é dividido em três grandes regiões aéreas, que passam a exercer o comando operacional das unidades aéreas estacionadas na sua área: 1.ª Região Aérea, com comando em Lisboa, abrangendo Portugal Continental, Açores, Madeira, Guiné Portuguesa e Cabo Verde; 2.ª Região Aérea, com comando em Luanda, abrangendo Angola e São Tomé e Príncipe; 3.ª Região Aérea, com comando em Lourenço Marques, abrangendo Moçambique, Índia Portuguesa, Macau e Timor-Leste. Mais tarde, dentro da 1.ª Região Aérea, são criados dois comandos semi-autónomos: Zona Aérea dos Açores e Zona Aérea da Guiné e Cabo Verde
  • 1958 – As Forças Aeronavais (antiga Aviação Naval) são completamente integradas na Força Aérea, deixando de ter qualquer ligação administrativa à Marinha
  • 1960 – São criadas as primeiras bases aéreas em Angola (Luanda e Negage);
  • 1961 – Ataques terroristas em Luanda e no norte de Angola dão início à Guerra do Ultramar em que a Força Aérea vai ter um papel muito activo, em operações de combate, reconhecimento, evacuação de feridos e apoio logístico às tropas e população civil
  • 1961 – O Subsecretariado de Estado da Aeronáutica é substituído pela Secretaria de Estado da Aeronáutica, cujo titular passa a ter assento no Conselho de Ministros, se bem que ainda mantenha um estatuto governamental inferior ado dos ministros do Exército e da Marinha
  • 1961 – O general da Força Aérea Venâncio Deslandes é nomeado Governador-Geral e Comandante-Chefe das Forças Armadas de Angola. A função de Comandante-Chefe implicava o comando conjunto dos três ramos das forças armadas no respectivo Teatro de Operações, sendo o primeiro caso na Guerra do Ultramar em que essa função foi exercida por um oficial não pertencente ao Exército
  • 1962 – Criação oficial das Formações Aéreas Voluntárias, organizações de milícia aérea civil auxiliar da Força Aérea na Guerra do Ultramar
  • 1967 - Em 12 de Outubro de 1967, o general da Força Aérea João Anacoreta de Almeida Viana assume interinamente as funções de Comandante-Chefe das Forças Armadas em Angola, cargo que virá a exercer plenamente entre Julho de 1968 e Maio de 1970
  • 1968 - O general da Força Aérea Venâncio Deslandes assume o cargo de Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, mantendo-se em funções até 1972
  • 1974 – Dá-se o golpe militar de 25 de Abril que derruba o governo de Marcelo Caetano e pôe fim à Guerra do Ultramar. Na sequência da revolução são extintos os Ministérios do Exército e da Marinha, bem como a Secretaria de Estado da Aeronáutica. As Forças Armadas deixam de ficar subordinadas ao poder civil, passando à tutela do Conselho da Revolução. Os Chefes de Estado Maior dos três ramos das Forças Armadas passam a exercer o comando do ramo, com o estatuto de ministro. O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas passa a ter o estatuto equivalente ao de Primeiro-Ministro, ficando na dependência directa do Presidente da República
  • 1975 - A FAP envia para Timor-Leste um destacamento de helicópteros, que ali opera em apoio das forças portuguesas (entre as quais um destacamento de pára-quedistas) até à invasão indonésia
  • 1975 - Com a independência dos territórios africanos portugueses, a FAP retira de África, sendo extintas a 2ª e a 3ª Regiões Aéreas. Mantém-se apenas o Comando da 1ª Região Aérea que é, pouco depois, transformado no Comando Operacional da Força Aérea
  • 1977 – A Força Aérea é reorganizada, sendo criado o Instituto de Altos Estudos da Força Aérea
  • 1978 – Entra em funcionamento a 1 de Fevereiro a Academia da Força Aérea
  • 1982 – Na sequência da reforma constitucional onde é extinto o Conselho da Revolução, as Forças Armadas voltam a ficar subordinadas ao poder civil. A Força Aérea Portuguesa, tal como os outros ramos, é integrada no Ministério da Defesa Nacional

Unidades Iniciais da FAP[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Em 1952, quando a Força Aérea se tornou independente passou a ter a seu cargo todas as infraestruturas aeronáuticas que eram pertença do Exército e da Marinha. As suas primeiras unidades foram:

Pertencentes à antiga Aeronáutica Militar:

Pertencentes às antigas Forças Aéreas da Armada:

Organização[editar | editar código-fonte]

A Força Aérea é um ramo das Forças Armadas, dotado de autonomia administrativa, que se integra na administração directa do Estado, através do Ministério da Defesa Nacional.

A Força Aérea organiza -se numa estrutura vertical e hierarquizada e os respectivos órgãos relacionam-se através dos seguintes níveis de autoridade:

  • Autoridade hierárquica
  • Autoridade funcional
  • Autoridade técnica

A Força Aérea é comandada pelo Chefe do Estado-Maior da Força Aérea e para o cumprimento da respectiva missão compreende:

Chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA)[editar | editar código-fonte]

Base Aérea das Lajes
Avião de transporte CASA C-295
Avião de instrução Aérospatiale Epsilon-TB 30

José António de Magalhães Araújo Pinheiro é o actual Comandante da Força Aérea, sendo o principal colaborador do Ministro da Defesa Nacional e do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas em tudo o que diz respeito à Força Aérea Portuguesa.

Estado-Maior da Força Aérea (EMFA)[editar | editar código-fonte]

O Estado -Maior da Força Aérea (EMFA) constitui o órgão de estudo, concepção e planeamento da actividade da Força Aérea, para apoio à decisão do CEMFA. É dirigido pelo VCEMFA que, para o efeito, é coadjuvado por um major-general piloto-aviador designado por subchefe do Estado -Maior da Força Aérea .

Comando Aéreo (CA)[6] [editar | editar código-fonte]

O Comando Aéreo é dirigido por um Tenente-General e tem como missão o planeamento, direcção e controlo dos sistemas de armas e actividade de defesa aérea do território nacional. Compete ainda a este comando a segurança de todas as unidades e órgãos da Força Aérea.

Unidades e Zonas Aéreas[editar | editar código-fonte]

  • Zonas Aéreas:
    • Comando da Zona Aérea dos Açores, do qual depende a Base Aérea n.º 4
    • Comando da Zona Aérea da Madeira (ainda não activado)

Esquadras de Voo[editar | editar código-fonte]

As aeronaves da FAP estão integradas em Esquadras de Voo dependentes das bases aéreas. Em teoria cada esquadra baseia-se em 25, 12 ou 6 aparelhos do mesmo tipo, conforme é, respectivamente, uma esquadra de aeronaves ligeiras, de aeronaves médias ou de aeronaves pesadas. Na prática, esta quantidade varia bastante, dependendo do material disponível. As esquadras com mais aeronaves dividem-se em esquadrilhas de 4 a 8 aparelhos.

As esquadras recebem uma numeração de três algarismos, em que o primeiro indica a sua missão primária, do seguinte modo:

  • 1 - instrução
  • 2 - caça
  • 3 - ataque
  • 4 - reconhecimento
  • 5 - transporte
  • 6 - patrulha marítima
  • 7 - busca e salvamento
  • 8 - especial

O segundo algarismo indica o tipo de aeronave operado pela esquadra, do seguinte modo:

  • 0 - asa fixa
  • 1 - misto
  • 5 - asa móvel

Desta forma, destacam-se:

  • esquadras de instrução: Esquadras 101 "Os Roncos" e 103 "Caracóis" baseadas na BA11 em Beja
  • esquadras de caça: Esquadra 201 "Falcões" baseada na BA5 em Monte Real
  • esquadras de ataque: Esquadra 301 "Jaguares" baseada na BA5 em Monte Real
  • esquadras de transporte: Esquadras 501 "Bisontes", 502 "Elefantes" e 504 "Linces" baseadas na BA6 em Montijo, Esquadra 552 "Zangões" baseada na BA11 em Beja
  • esquadras de patrulha marítima: Esquadra 601 "Lobos" baseada na BA11
  • esquadras de busca e salvamento: Esquadra 751 "Pumas" baseada na BA6
  • esquadras de função especial: Esquadra 802 "Águias" dependente da Academia da Força Aérea e baseada na BA1 em Sintra

UPF – Unidade de Protecção da Força[editar | editar código-fonte]

Helicóptero EH-101 da FAP
Helicóptero Alouette III da FAP
Caça-bombardeiro Dassault-Dornier Alpha-Jet da FAP, com pintura comemorativa dos 50 anos da Esquadra 103
Caça bilugar F-16B da FAP
Veículos blindados HMMWV e Condor de controlo aéreo táctico e de proteção de bases da FAP
Veículo de combate a incêndios em aeronaves PROTEC-FIRE MTEC 670 da FAP

A Força Aérea Portuguesa constituiu no início dos anos 90 uma unidade dentro da Polícia Aérea, denominada “Equipa de Resgate de Combate” e conhecida pela sigla RESCOM, destinada a efectuar as chamadas missões de “CSAR” ou busca e salvamento em situação de combate. Os militares que integravam esta força, inicialmente todos do Quadro Permanente, treinavam não só os procedimentos próprios como contribuíam para o treino de todos os tripulantes de aeronaves da Força Aérea que devem estar preparados para, em caso de serem abatidos/caírem em território hostil, saberem como poderão ser resgatados por este tipo de equipas altamente especializadas.

Recentemente a Força Aérea Portuguesa, avaliando, além de outros aspectos, o seu efectivo empenhamento internacional, o tipo de missões e os locais em que as aeronaves nacionais têm sido empregues, decidiu reformular as missões das equipas RESCOM, entretanto desactivadas, criando a Unidade de Protecção da Força (UPF) da Polícia Aérea. Esta nova força, dependente do Tenente-General Comandante do Comando Aéreo, tem uma missão bem mais abrangente que o ex-RESCOM. De carácter expedicionário, tem como a missão primária garantir a protecção activa dos Destacamentos da Força Aérea Portuguesa nos diferentes Teatros de Operações. Militares desta força integraram o Destacamento da Força Aérea (C-130) no Chade, no âmbito das missões EUFOR - TCHAD/RCA e no Afeganistão no âmbito da NATO - ISAF. Está ainda preparada para executar outro tipo de missões de natureza reservada.

Comando de Pessoal da Força Aérea (CPESFA)[editar | editar código-fonte]

É comandando por um tenente-general que tem por missão assegurar a administração dos recursos humanos para execução dos planos e diretivas aprovadas pelo CEMFA.

Para atingir esse objectivo tem sob o seu comando os seguintes órgãos:

  • Direcção de Pessoal
  • Direcção de Saúde
  • Serviço de Justiça e Disciplina
  • Serviço de Acção Social
  • Serviço de Assistência Religiosa
  • Instituto de Saúde da Força Aérea
  • Centro de Medicina Aeronáutica
  • Centro de Psicologia da Força Aérea
  • Base do Lumiar

Comando da Logística da Força Aérea (CLAFA)[editar | editar código-fonte]

É comandado por um tenente-general que tem por missão administrar os recursos materiais, de comunicações e sistemas de informação e infra-estruturas da Força Aérea, para a execução dos planos e directivas aprovados pelo CEMFA e garantir o cumprimento dos requisitos para a certificação da navegabilidade das aeronaves militares e tem na sua dependência os seguintes órgãos:

  • Direção de Abastecimento e Transportes
  • Direção de Comunicação e Sistemas de Informação [1]
  • Direção de Engenharia e Programas
  • Direção de Infraestruturas
  • Direção de Manutenção de Sistemas de Armas
  • Depósito Geral de Material da Força Aérea

Comando da Instrução e Formação da Força Aérea (CIFFA)[editar | editar código-fonte]

Este comando, actualmente extinto, era comandando por um tenente-general que tinha por missão assegurar o recrutamento e as actividades de instrução e formação na Força Aérea, de acordo com os planos e directivas aprovados pelo CEMFA e tinha na sua dependência os seguintes órgãos:

Equipamento[editar | editar código-fonte]

A Força Aérea Portuguesa é hoje, em termos internacionais uma força de média dimensão, com equipamento ao nível dos mais modernos do mundo[carece de fontes?]. Contrariamente a outras forças aéreas, a FAP não atribui uma designação própria às suas aeronaves, adoptando normalmente a designação do fabricante ou fornecedor.

Actualmente, a FAP possui o seguinte material de voo:

Aeronaves de Luta aérea[editar | editar código-fonte]

Neste momento todas as aeronaves F-16A/B da FAP são F-16AM/BM aeronaves MLU com novos avionicos Radar APG-65V2B, AIFF, AAMBVR, Lantirn, AGPS Ordenance, Mantêm as características das versões anteriores sejam eles PA1 ou PA2 mas todas foram upgraded ao nível MLU, Falcon SLIP/UP

Aeronaves de luta anti-superfície[editar | editar código-fonte]

Aeronaves de Apoio[editar | editar código-fonte]

Aeronaves de Instrução[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://www.emfa.pt/www/biografia-1-5-general-jose-antonio-de-magalhaes-araujo-pinheiro
  2. http://www.emfa.pt/www/pagina-001
  3. http://www.scribd.com/doc/13266410/Mais-Alto-Asas-Rotativas-Na-Fap-N348%7C FAP - Mais Alto Nº 348 Mar/Abr 2004 pag. 37
  4. A Aviação Naval experimentou, durante pouco tempo, um Westland-Sikorsky WS-51 Dragonfly Mk.1A civil britânico, com a matrícula G-ALMB (e o número de construção c/n WA-H-6), que passou pela Doca do Bom Sucesso, em Lisboa. Depois de ter estado em Portugal foi vendido para Itália, onde foi matriculado I-MCOM e posteriormente MM80118I (número de cauda militar). Este helicóptero foi o primeiro a operar em Portugal, pertence actualmente ao Museu da Força Aérea Italiana.
  5. Lei Orgânica da Força Aérea (Decreto-Lei 232/2009 de 15 de Setembro)
  6. http://www.emfa.pt/www/dispositivo.php?lang=pt&cod=*

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Força Aérea Portuguesa

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Conteúdo da Wikipedia está licenciado sob a: GFDL License
Powered by YouTube