Play Video
1
Me Salva! ELT04 - Condutores x Isolantes Elétricos
Me Salva! ELT04 - Condutores x Isolantes Elétricos
::2013/10/05::
Play Video
2
Condutores elétricos
Condutores elétricos
::2013/02/17::
Play Video
3
Campo e potencial de um condutor esférico
Campo e potencial de um condutor esférico
::2013/09/06::
Play Video
4
Campo e potencial elétrico de um condutor esférico - Exemplo
Campo e potencial elétrico de um condutor esférico - Exemplo
::2013/09/06::
Play Video
5
77. ELETRICIDADE - QUAL O VALOR MÁXIMO DE CORRENTE UM CONDUTOR SUPORTA?
77. ELETRICIDADE - QUAL O VALOR MÁXIMO DE CORRENTE UM CONDUTOR SUPORTA?
::2013/06/17::
Play Video
6
Fantástico Homem Condutor Elétrico - Inédito Na Internet
Fantástico Homem Condutor Elétrico - Inédito Na Internet
::2014/10/09::
Play Video
7
Equilíbrio elétrico de condutores
Equilíbrio elétrico de condutores
::2013/09/06::
Play Video
8
Como calcular bitola de fios condutores?
Como calcular bitola de fios condutores?
::2011/10/04::
Play Video
9
Assombrosso - Achou Que Era Condutor Elétrico E Se Deu Muito Mau - Cenas Fortes
Assombrosso - Achou Que Era Condutor Elétrico E Se Deu Muito Mau - Cenas Fortes
::2014/10/08::
Play Video
10
condutor eletrico
condutor eletrico
::2012/10/31::
Play Video
11
Capacitância eletrostática de um condutor
Capacitância eletrostática de um condutor
::2013/09/06::
Play Video
12
condutor elétrico
condutor elétrico
::2013/04/27::
Play Video
13
MinutoNews - Seção nominal mínima de um condutor elétrico
MinutoNews - Seção nominal mínima de um condutor elétrico
::2013/05/27::
Play Video
14
Grings - Aula 20 - Física Elétrica - Força Magnética sobre um Fio Condutor
Grings - Aula 20 - Física Elétrica - Força Magnética sobre um Fio Condutor
::2014/10/02::
Play Video
15
Distribuição de Cargas Elétricas em Condutores e Isolantes + Gaiola de Faraday
Distribuição de Cargas Elétricas em Condutores e Isolantes + Gaiola de Faraday
::2014/03/10::
Play Video
16
Condutores e isolantes
Condutores e isolantes
::2014/03/12::
Play Video
17
Modelo de Condutor Elétrico
Modelo de Condutor Elétrico
::2014/06/12::
Play Video
18
Equilíbrio elétrico de condutores - Exemplo
Equilíbrio elétrico de condutores - Exemplo
::2013/09/14::
Play Video
19
Quimica - Condutor elétrico.m4v
Quimica - Condutor elétrico.m4v
::2011/09/02::
Play Video
20
ELETRICIDADE - CONDUTORES E ISOLANTES.
ELETRICIDADE - CONDUTORES E ISOLANTES.
::2013/04/17::
Play Video
21
Ciclista multado Blitz da Lei Seca multa condutor de bicicleta elétrica isso é uma vergonha!
Ciclista multado Blitz da Lei Seca multa condutor de bicicleta elétrica isso é uma vergonha!
::2012/05/03::
Play Video
22
Condutores em Equlíbrio
Condutores em Equlíbrio
::2011/02/12::
Play Video
23
Trabalho de fisica Modelo de um Condutor Eletrico
Trabalho de fisica Modelo de um Condutor Eletrico
::2014/06/14::
Play Video
24
Entenda a influência da temperatura na resistência de condutores elétricos
Entenda a influência da temperatura na resistência de condutores elétricos
::2011/01/19::
Play Video
25
Condutor de bicicleta elétrica é atropelado por ônibus em Manaus
Condutor de bicicleta elétrica é atropelado por ônibus em Manaus
::2012/07/05::
Play Video
26
Como fazer um motor eletrico. Passo a passo
Como fazer um motor eletrico. Passo a passo
::2013/04/02::
Play Video
27
Condutores de bicicletas elétricas estão dispensados de registro e seguro obrigatório
Condutores de bicicletas elétricas estão dispensados de registro e seguro obrigatório
::2014/01/07::
Play Video
28
Videoaula de Física - Eletricidade - Eletrostática - Condutores em equilíbrio eletrostático
Videoaula de Física - Eletricidade - Eletrostática - Condutores em equilíbrio eletrostático
::2014/05/21::
Play Video
29
130 - ELETRICIDADE - Conheça a Eletricidade - Resistência elétrica.MOV
130 - ELETRICIDADE - Conheça a Eletricidade - Resistência elétrica.MOV
::2011/11/22::
Play Video
30
MinutoNews - Isolação elétrica dos condutores
MinutoNews - Isolação elétrica dos condutores
::2013/06/12::
Play Video
31
COMO FAZER UM TESTE DE BONS E MAUS CONDUTORES DE ELETRICIDADE
COMO FAZER UM TESTE DE BONS E MAUS CONDUTORES DE ELETRICIDADE
::2014/04/19::
Play Video
32
Condutores e isolantes
Condutores e isolantes
::2010/04/17::
Play Video
33
REUNI Biofísica 2010 - Sistema Condutor Cardíaco
REUNI Biofísica 2010 - Sistema Condutor Cardíaco
::2011/04/27::
Play Video
34
Aula 17.7 - Eletromagnetismo - Campo magnético gerado por um fio condutor retilíneo
Aula 17.7 - Eletromagnetismo - Campo magnético gerado por um fio condutor retilíneo
::2014/08/19::
Play Video
35
Teste de condutores e isolante elétricos ( Bastante  Interessante !!! )
Teste de condutores e isolante elétricos ( Bastante Interessante !!! )
::2011/08/25::
Play Video
36
Física - Circuitos Elétricos
Física - Circuitos Elétricos
::2011/04/22::
Play Video
37
Conduspar Condutores Elétricos Ltda
Conduspar Condutores Elétricos Ltda
::2008/07/04::
Play Video
38
Eletrostática - Parte 4 - Campo Elétrico | Vídeo Aulas de Física Online Grátis
Eletrostática - Parte 4 - Campo Elétrico | Vídeo Aulas de Física Online Grátis
::2009/11/16::
Play Video
39
03 - Isolação em condutores eletricos
03 - Isolação em condutores eletricos
::2014/01/05::
Play Video
40
DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS- MOTORES DE INDUÇÃO
DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS- MOTORES DE INDUÇÃO
::2013/05/25::
Play Video
41
MinutoNews - Condutor isolado, cabo unipolar, cabo multipolar
MinutoNews - Condutor isolado, cabo unipolar, cabo multipolar
::2013/04/18::
Play Video
42
Condutor derruba poste e deixa casas da zona Leste sem energia elétrica
Condutor derruba poste e deixa casas da zona Leste sem energia elétrica
::2012/09/17::
Play Video
43
testando a água como condutor de Energia
testando a água como condutor de Energia
::2014/05/22::
Play Video
44
131 - ELETRICIDADE - Principais características da Resistência Elétrica.MOV
131 - ELETRICIDADE - Principais características da Resistência Elétrica.MOV
::2011/11/23::
Play Video
45
Condutor Sem Capacete, de Bicicleta Elétrica, no Centro de Tubarão - 23/07/2013
Condutor Sem Capacete, de Bicicleta Elétrica, no Centro de Tubarão - 23/07/2013
::2013/07/23::
Play Video
46
Condutores em equilíbrio eletrostático
Condutores em equilíbrio eletrostático
::2013/09/06::
Play Video
47
Habilitação para condutores de Bicicletas Elétricas vai ser exigida
Habilitação para condutores de Bicicletas Elétricas vai ser exigida
::2014/05/27::
Play Video
48
Me Salva! DIO01 - Materiais Semi-Condutores
Me Salva! DIO01 - Materiais Semi-Condutores
::2014/03/22::
Play Video
49
EXPERIMENTO DE CONDUTORES E ISOLANTES.
EXPERIMENTO DE CONDUTORES E ISOLANTES.
::2010/11/05::
Play Video
50
Força magnética sobre condutores paralelos
Força magnética sobre condutores paralelos
::2013/10/27::
MAIS >>
RESULTADOS [51 .. 101]
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cabo de transmissão de energia
Condutores são utilizados na confecção de linhas de transmissão de energia elétrica.

Condutores, no contexto da física e da engenharia elétrica, são materiais nos quais as cargas elétricas se deslocam de maneira relativamente livre. Quando tais materiais são carregados em alguma região pequena, a carga distribui-se prontamente sobre toda a superfície do material.[1]

Nos sólidos que possuem elétrons livres, como os metais, é possível que a carga elétrica seja transportada através deles, por isso dizemos que são condutores de eletricidade.[2] Nesses materias, o movimento de cargas elétricas é composto por cargas negativas.[3] Materiais como o cobre, o alumínio e a prata são bons condutores.

Sais, quando dissolvidos ou fundidos, subdividem-se em partículas eletricamente carregadas que, agora livres, também permitem o movimento de cargas em seu interior.[4]

Isolantes não permitem o movimento de cargas elétricas em seu interior. Entretanto, se a tensão elétrica aplicada em suas extremidades for superior à sua rigidez dielétrica, tornar-se-á um condutor.[5]

Trabalhos realizados sobre uma nova classe de condutores, feitos a partir de polímeros, foi o motivo que concedeu o Nobel de Química de 2000 aos seus premiados.[6] [7]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

Em alguns materiais, como nos metais, o eletrão mais externo em cada átomo é livre de se movimentar pelo material; existe assim uma “nuvem” muito densa de eletrões (eletrões de condução), com densidade constante se o material for homogêneo. Esse tipo de material é designado de condutor. Se o condutor for colocado numa região onde existe campo elétrico, como a nuvem eletrônica tem carga negativa, desloca-se em sentido oposto às linhas de campo. Assim, acumulam-se eletrões num extremo, ficando com excesso de carga negativa, e no extremo oposto aparece uma carga do mesmo valor mas com sinal positivo (falta de eletrões). Essa acumulação de cargas no condutor cria um campo interno oposto ao campo externo; quando os dois campos se anularem, o movimento da nuvem eletrônica cessará.[8]

Efeito de uma barra com carga sobre uma esfera condutora (esquerda) e uma esfera isoladora (direita).

No lado esquerdo da figura mostra-se o que acontece quando aproximamos uma barra, com carga positiva, a uma esfera condutora isolada. A nuvem eletrônica aproxima-se da barra. Se a barra tivesse carga negativa, a nuvem eletrônica afastava-se dela. Nos dois casos, o resultado é a indução de carga de sinal oposto perto da barra, e carga do mesmo sinal na região mais afastada da barra. A carga total da esfera continua a ser nula. Se a esfera não estivesse sobre um suporte isolador, as cargas do mesmo sinal da barra abandonavam a esfera, passando através do suporte para a terra.[8]

Nos materiais isoladores, os eletrões estão ligados a cada átomo. Quando uma carga externa é colocada perto do material, os eletrões e protões de cada átomo deslocam-se na direção das linhas de campo mas em sentidos opostos, sem sair do átomo. Assim cada átomo deforma-se criando um pequeno dípolo elétrico; nomeadamente, um sistema com carga total nula, mas com as cargas positivas e negativas separadas por uma pequena distância.

O lado direito da figura mostra a deformação de alguns dos átomos de uma esfera isoladora, quando é aproximada uma barra com carga positiva. Independentemente do sinal da carga da barra, em cada átomo as cargas de sinal oposto às carga da barra estarão mais perto da barra e a as cargas do mesmo sinal estarão mais afastadas; portanto, a força resultante da carga externa sobre cada átomo neutro será sempre atrativa, independentemente do sinal da carga externa. Assim, um material isolador é sempre atraído por um objeto externo com carga, independentemente do sinal dessa carga.[8]

Resistência[editar | editar código-fonte]

Quando uma tensão elétrica é aplicada entre duas extremidades de um condutor, uma corrente elétrica é estabelecida, fluindo de uma extremidade até outra. A oposição que o condutor faz à passagem dessa corrente, numa determinada tensão, pode ser caracterizada pela relação:

R = {V \over I}

Onde V é o valor da tensão aplicada, medida em Volts e I é o valor da corrente fluindo pelo condutor, medida em Ampères. R é a resistência elétrica, medida em Ohms.[9] [10]

Ôhmicos e não-ôhmicos[editar | editar código-fonte]

Gráfico mostrando resistência de condutores ohmicos e não-ohmicos
Em condutores ôhmicos, a relação tensão por corrente é linear, como a reta vermelha deste gráfico.

Condutores que apresentam sempre uma determinada corrente elétrica fluindo, em determinada tensão, consequentemente tem sempre a mesma resistência. Tais condutores são denominados ôhmicos, por obedecerem a lei de Ohm. Quaisquer outros condutores que não se comportem consistentemente com tal lei são denominados não-ôhmicos.[10] [11]

Resistividade[editar | editar código-fonte]

A propriedade elétrica que determina se um material apresenta grande ou baixa resistência à passagem da corrente elétrica é a denominada: resistividade elétrica, típica de cada material e representada pela letra grega ρ. Esta é mensurada através da resistência(R), área de secção transversal(A) e distância entre os pontos de condução(l). A sua fórmula é:

ρ = R*A/l

E sua unidade de medida é o ohm-metro (Ω-m).

Condutividade[editar | editar código-fonte]

Tabela de condutividade
Tabela de condutividade eletrica de diversos metais

Mas para se determinar se um material é bom ou mau condutor usa-se outra grandeza elétrica: a condutividade, representada pela letra grega, σ (lê-se sigma). Que nada mais é que o inverso da resistividade elétrica, ou seja:

σ = 1/ρ

Sua unidade de medida é o [(Ω-m)^-1].

Condutores: apresentam condutividade alta, em torno de 10^7 [(Ω-m)^-1].

A figura ao lado mostra uma tabela com os valores de condutividade elétrica para alguns metais e ligas:


Estrutura de banda de energia (sólidos)[editar | editar código-fonte]

Imagem das estruturas de banda
Estruturas de bandas a 0K.

A condutividade elétrica está ligada fortemente ao número de elétrons disponíveis para a condução e estes buscam preencher os estados de energia mais baixos (estabilidade) a não ser que sejam submetidos à ação de forças externas (campo elétrico, por exemplo). A banda de energia eletrônica (ou banda de valência) é formada por estados atômicos que se dividem em subestados, ou estados eletrônicos. Quanto mais externas as camadas eletrônicas mais estas contribuem para a formação da banda eletrônica que é formada pelos elétrons da camada de valência do átomo. A banda vazia (ou banda de condução), como seu nome diz, é onde ocorre a condução elétrica propriamente dita, o movimento ordenado de elétrons por meio de uma diferença de potencial (d.d.p.). Quanto mais distantes as bandas, menor a condutividade elétrica.[12] Existem apenas quatro tipos de estruturas de bandas a 0K (zero absoluto), e estão mostradas na figura à direita:

a) Típica de metais que apresentam um elétron na camada s; b) Encontrada em outros metais, há superposição de bandas (vazia com preenchida); c) Típica de isolantes, apresenta grande espaçamento entre bandas (gap); d) Característica dos semicondutores, tem distância pequena (< 2 eV) entre as bandas.

Características[editar | editar código-fonte]

Nos metais há imperfeições na estrutura cristalina que os levam a alterar sua resistividade, e por consequência sua condutividade. Segue abaixo a representação equacional dos responsáveis pela resistividade dos metais:

ρtotal = ρt + ρi + ρd (regra de Matthiessen)

em que ρt, ρi e ρd, são, respectivamente, as contribuições das resistividades térmicas (vibrações), devido às impurezas, e da deformação (plástica).[13]

Para os condutores, o aumento da temperatura resulta diretamente num aumento de resistividade, por conta de haver mais choques entre elétrons o que dificulta seu movimento ordenado. Tal aumento é linear e definido pela fórmula:

ρt = ρo + αT

sendo ρo e α, constantes para cada material específico.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. SERWAY, Raymond A.; JEWETT Jr., John W. Princípios de Física: Eletromagnetismo. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2008. p. 679. vol. 3. ISBN 85-221-0414-X.
  2. LUZ, Antônio Máximo Ribeiro; ÁLVARES, Beatriz Alvarenga. Física: Contexto & Aplicações. 1. ed. São Paulo: Scipione, 2011. p. 18. vol. 3. ISBN 9788526284647.
  3. LUZ, Antônio Máximo Ribeiro; ÁLVARES, Beatriz Alvarenga. Física: Contexto & Aplicações. 1. ed. São Paulo: Scipione, 2011. p. 236. vol. 3. ISBN 9788526284647.
  4. FELTRE, Ricardo. Química: Química Geral. 6. ed. São Paulo: Moderna, 2004. p. 190. vol. 1.
  5. SERWAY, Raymond A.; JEWETT Jr., John W. Princípios de Física: Eletromagnetismo. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2008. p. 748-749. vol. 3. ISBN 85-221-0414-X.
  6. VOLLHARDT, K. Peter C.;SCHORE, Neil E.. Química Orgânica: Estrutura e função. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004. p. 514-515. ISBN 85-363-0413-8.
  7. The Nobel Prize in Chemistry 2000 (em Inglês). Visitado em 02 de Setembro de 2012. "The Nobel Prize in Chemistry 2000 was awarded jointly to Alan J. Heeger, Alan G. MacDiarmid and Hideki Shirakawa "for the discovery and development of conductive polymers"."
  8. a b c [ Eletricidade e Magnetismo. Porto: Jaime E. Villate, 20 de março de 2013. 221 págs]. Creative Commons Atribuição-Partilha (versão 3.0) ISBN 978-972-99396-2-4. Acesso em 09 jun. 2013.
  9. LUZ, Antônio Máximo Ribeiro; ÁLVARES, Beatriz Alvarenga. Física: Contexto & Aplicações. 1. ed. São Paulo: Scipione, 2011. p. 121. vol. 3. ISBN 9788526284647.
  10. a b SERWAY, Raymond A.; JEWETT Jr., John W. Princípios de Física: Eletromagnetismo. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2008. p. 770,771. vol. 3. ISBN 85-221-0414-X.
  11. LUZ, Antônio Máximo Ribeiro; ÁLVARES, Beatriz Alvarenga. Física: Contexto & Aplicações. 1. ed. São Paulo: Scipione, 2011. p. 129. vol. 3. ISBN 9788526284647.
  12. - CALLISTER, W. D. Ciência e engenharia de materiais uma introdução. 7ª Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008. 705 p.
  13. – VAN VLACK, L. H. Princípios de ciência dos materiais. 1ª Ed. São Paulo: Edgar Blücher, 1970. 427 p.


Ícone de esboço Este artigo sobre Eletricidade é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Conteúdo da Wikipedia está licenciado sob a: GFDL License
Powered by YouTube