Play Video
1
CODIGO DE HAMURABI - VOX LOUREIRO.
CODIGO DE HAMURABI - VOX LOUREIRO.
::2009/02/13::
Play Video
2
Código de Hamurabi (parte 1 / 3)
Código de Hamurabi (parte 1 / 3)
::2009/11/13::
Play Video
3
FATOS HISTÉRICOS # 10 - CÓDIGO DE HAMURÁBI
FATOS HISTÉRICOS # 10 - CÓDIGO DE HAMURÁBI
::2014/05/26::
Play Video
4
06. O Código de Hamurabi - Evidências - Rodrigo Silva
06. O Código de Hamurabi - Evidências - Rodrigo Silva
::2013/05/06::
Play Video
5
Evidencias-O Codigo de Hamurabi-1/4
Evidencias-O Codigo de Hamurabi-1/4
::2009/09/11::
Play Video
6
Código de Hamurabi
Código de Hamurabi
::2011/03/26::
Play Video
7
Sen. Roberto Cavalcanti, PRB/PB, cita o Código de Hamurabi pelas regras de compras de embarcações
Sen. Roberto Cavalcanti, PRB/PB, cita o Código de Hamurabi pelas regras de compras de embarcações
::2014/04/25::
Play Video
8
BABILÔNIA  SUA HISTÓRIA
BABILÔNIA SUA HISTÓRIA
::2013/04/26::
Play Video
9
Código de Hammurabi (Code of Hammurabi) - [Portuguese-BR]
Código de Hammurabi (Code of Hammurabi) - [Portuguese-BR]
::2012/03/18::
Play Video
10
João Filipe canta código de hamurabi
João Filipe canta código de hamurabi
::2009/12/06::
Play Video
11
Professor Carlos Código de Hamurabi
Professor Carlos Código de Hamurabi
::2011/08/05::
Play Video
12
HISTÓRIA ANTIGA: A MESOPOTÂMIA - EDIÇÃO E  NARRAÇÃO PROF. CESAR MOTA.wmv
HISTÓRIA ANTIGA: A MESOPOTÂMIA - EDIÇÃO E NARRAÇÃO PROF. CESAR MOTA.wmv
::2012/02/18::
Play Video
13
Evidencias-O Codigo de Hamurabi-3/4
Evidencias-O Codigo de Hamurabi-3/4
::2009/09/11::
Play Video
14
código de hamurabi
código de hamurabi
::2014/04/26::
Play Video
15
Código de Hamurabi (parte 2 / 3)
Código de Hamurabi (parte 2 / 3)
::2009/11/13::
Play Video
16
Evidencias-O Codigo de Hamurabi-2/4
Evidencias-O Codigo de Hamurabi-2/4
::2009/09/11::
Play Video
17
09 - Vlog do João - Código de Hamurabi
09 - Vlog do João - Código de Hamurabi
::2014/02/08::
Play Video
18
Evidencias-O Codigo de Hamurabi-4/4
Evidencias-O Codigo de Hamurabi-4/4
::2009/09/12::
Play Video
19
O Código de Hamurabi - Sorocaba Tap 2013 - Balleteatro Mônica Minelli
O Código de Hamurabi - Sorocaba Tap 2013 - Balleteatro Mônica Minelli
::2013/06/14::
Play Video
20
Anima Sacra Codigo del hamurabi
Anima Sacra Codigo del hamurabi
::2013/05/31::
Play Video
21
O Código de Hamurabi - Balleteatro Monica Minelli
O Código de Hamurabi - Balleteatro Monica Minelli
::2013/09/07::
Play Video
22
el codigo de hamurabi
el codigo de hamurabi
::2013/09/07::
Play Video
23
Código de Hamurabi (parte 3 / 3)
Código de Hamurabi (parte 3 / 3)
::2009/11/13::
Play Video
24
Paris - Le Louvre - Código de Hamurabi
Paris - Le Louvre - Código de Hamurabi
::2011/01/17::
Play Video
25
La dosis crew - Código hamurabi
La dosis crew - Código hamurabi
::2013/04/10::
Play Video
26
Codigo de Hammurabi
Codigo de Hammurabi
::2008/04/21::
Play Video
27
Civilização Mesopotâmica - Boru Explica
Civilização Mesopotâmica - Boru Explica
::2014/02/22::
Play Video
28
anunaki
anunaki
::2012/01/31::
Play Video
29
Legislação Judaica e o Direito Antigo
Legislação Judaica e o Direito Antigo
::2012/05/03::
Play Video
30
Entre sabores e leis! Não profanes a cerveja!
Entre sabores e leis! Não profanes a cerveja!
::2014/03/01::
Play Video
31
Trabalho de história/colégio tiradentes MC ²
Trabalho de história/colégio tiradentes MC ²
::2012/05/03::
Play Video
32
Alô Brasil - O inventor da Cerveja [Ateneu de Náucrati] 10/03/2014
Alô Brasil - O inventor da Cerveja [Ateneu de Náucrati] 10/03/2014
::2014/03/10::
Play Video
33
Cida e a Lei Maria da Penha
Cida e a Lei Maria da Penha
::2011/12/05::
Play Video
34
Biblia é totalmente sobre a familia de ANU.
Biblia é totalmente sobre a familia de ANU.
::2014/02/15::
Play Video
35
Pronunciamento Vereador Jefferson Forest - 06/05/2014
Pronunciamento Vereador Jefferson Forest - 06/05/2014
::2014/05/07::
Play Video
36
Código de Hammurabi
Código de Hammurabi
::2012/10/19::
Play Video
37
Ética na educação - Aula 01 de 05 - Hamurabi Messeder
Ética na educação - Aula 01 de 05 - Hamurabi Messeder
::2013/02/08::
Play Video
38
DCN
DCN's para o Ensino Fundamental - Hamurabi Messeder: Aula 03 de 09.
::2013/01/02::
Play Video
39
DCN
DCN's para o Ensino Fundamental - Hamurabi Messeder: Aula 04 de 09.
::2013/01/02::
Play Video
40
Estatuto dos Servidores SP-Do Acesso, Reversão, Aproveitamento-aula (06) - Hamurabi Messeder
Estatuto dos Servidores SP-Do Acesso, Reversão, Aproveitamento-aula (06) - Hamurabi Messeder
::2013/07/18::
Play Video
41
VIDEO CÖDIGO DE HAMURABI - LOUVRE 23.06.2014
VIDEO CÖDIGO DE HAMURABI - LOUVRE 23.06.2014
::2014/06/24::
Play Video
42
Vlog do Bodó: Ep. 60 - BGT #8 Paris - Musée du Louvre & La Joconde (Museu do Louvre & Mona Lisa)
Vlog do Bodó: Ep. 60 - BGT #8 Paris - Musée du Louvre & La Joconde (Museu do Louvre & Mona Lisa)
::2013/07/14::
Play Video
43
Lótus - Shaman (Prod. Garcia RG)
Lótus - Shaman (Prod. Garcia RG)
::2014/02/14::
Play Video
44
O Unicórnio de Nárnia no País de Hamurabi
O Unicórnio de Nárnia no País de Hamurabi
::2014/05/15::
Play Video
45
Code of Hamurabi
Code of Hamurabi
::2013/11/07::
Play Video
46
Max e Pi - Foi seu Sim
Max e Pi - Foi seu Sim
::2012/11/04::
Play Video
47
Civilization 2.4 - Benevolent Dictatorship of Hamurabi
Civilization 2.4 - Benevolent Dictatorship of Hamurabi
::2009/07/10::
Play Video
48
Rap do Hamurabi
Rap do Hamurabi
::2012/11/14::
Play Video
49
Crisis en Libia TN Hamurabi Noufouri.wmv
Crisis en Libia TN Hamurabi Noufouri.wmv
::2011/03/16::
Play Video
50
hamurabi-13 - roleta russa
hamurabi-13 - roleta russa
::2011/08/21::
MAIS >>
RESULTADOS [51 .. 101]
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O monólito com o Código de Hamurabi.

Código de Hamurabi, o qual pode ser escrito Hamurábi ou Hammurabi, representa conjunto de leis escritas, sendo um dos exemplos mais bem preservados desse tipo de texto oriundo da Mesopotâmia. Acredita-se que foi escrito pelo rei Hamurábi, aproximadamente em 1700 a.C.. Foi encontrado por uma expedição francesa em 1901 na região da antiga Mesopotâmia correspondente a cidade de Susa, atual Irã.

É um monumento monolítico talhado em rocha de diorito, sobre o qual se dispõem 46 colunas de escrita cuneiforme acádica, com 282 leis em 3600 linhas. A numeração vai até 282, mas a cláusula 13 foi excluída por superstições da época. A peça tem 2,25 m de altura, 1,50 metro de circunferência na parte superior e 1,90 na base.[1]

A sociedade era dividida em três classes, que também pesavam na aplicação do código:

  • Awilum: Homens livres, proprietários de terras, que não dependiam do palácio e do templo;
  • Muskênum: Camada intermediária, funcionários públicos, que tinham certas regalias no uso de terras.
  • Wardum: Escravos, que podiam ser comprados e vendidos até que conseguissem comprar sua liberdade.

Pontos principais do código de Hamurabi:

  • lei de talião (olho por olho, dente por dente)
  • falso testemunho
  • roubo e receptação
  • estupro
  • família
  • escravos
  • ajuda de fugitivos

Exemplo de uma disposição contida no código:

Art. 25 § 227 - "Se um construtor edificou uma casa para um Awilum, mas não reforçou seu trabalho, e a casa que construiu caiu e causou a morte do dono da casa, esse construtor será morto".

O objetivo deste código era homogeneizar o reino juridicamente e garantir uma cultura comum. No seu epílogo, Hamurabi afirma que elaborou o conjunto de leis "para que o forte não prejudique o mais fraco, a fim de proteger as viúvas e os órfãos" e "para resolver todas as disputas e sanar quaisquer ofensas".[1]

Durante as diferentes invasões da Babilônia, o código foi deslocado para a cidade de Susa (no Irã atual) por volta de 1200 a.C.. Foi nessa cidade que ele foi descoberto, em dezembro de 1901, pela expedição dirigida por Jacques de Morgan. O abade Jean-Vincent Scheil traduziu a totalidade do código após o retorno a Paris, onde hoje ele pode ser admirado no Museu do Louvre, na sala 3 do Departamento de Antiguidades Orientais.

Durante o governo de Hamurabi, no primeiro império babilônico, organizou-se um dos mais conhecido sistema de leis escritas da antiguidade: O Código de Hamurábi. Outros códigos, (Código de Ur-Nammu), haviam surgido entre os sumérios que viveram entre 4.000 anos a.C. a 1900 a.C. na Mesopotâmia. No entanto, o Código de Hamurabi foi o que chegou até nós de forma mais completa - os sumérios viviam em pequenas comunidades autônomas, o que dificultou o conhecimento desses registros.

Hamurábi, ou “Khammu-rabi” em babilônico, foi o sexto rei da Suméria (região do atual Iraque) por volta de 1750a.C. e também ele quem uniu os semitas e sumérios fundando o império babilônico.

O Código de Hamurábi ficava inicialmente no templo de Sippar (uma das cidades mais antigas da Mesopotâmia), sendo que diversas cópias suas foram distribuídas pelo reino de Hamurábi. No topo do monolito (monumento construído a partir de um só bloco de rocha) encontra-se uma representação de Hamurábi em frente ao deus sumeriano do sol Shamash.

Seu código trata de temas cotidianos e abrange matérias de ordem, civil, penal e administrativa como, por exemplo, o direito da mulher de escolher outro marido caso o seu seja feito prisioneiro de guerra e não tenha como prover a casa, ou a obrigação do homem de prover o sustento dos filhos mesmo que se separe de sua mulher..

Importância[editar | editar código-fonte]

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Durante o período de hegemonia do império babilônico sobre a Mesopotâmia (1800-1500 a.C.) o rei Hamurabi foi responsável por uma das mais importantes contribuições culturais daquele povo: a compilação de um código de leis escrito quando ainda prevalecia a tradição oral, ou seja, em época em que as leis eram transmitidas oralmente de geração em geração ou de forma consuetudinária - costumeira.

Do código de Hamurabi foram traduzidos 281 artigos a respeito de relações de trabalho, família, propriedade e escravidão. Embora repouse sobre a tradição anterior do direito sumério, o código é conhecido por ser o primeiro corpo de leis de que se tem notícia fundamentado no princípio da lei de talião, que estabelece a equivalência da punição em relação ao crime. O termo talião é originado do latim e significa tal ou igual, daí a expressão "olho por olho, dente por dente". Também inspira o código o princípio jurídico judicium dei, ou o ordálio, que indica a possibilidade de um julgamento divino. Um exemplo desse princípio está no artigo dois do código: "Se alguém acusar um homem e o acusado mergulhar em um rio e afundar, quem o acusa pode tomar posse de sua casa. Mas se o rio provar que o acusado é inocente e ele escapar ileso, então quem o acusa será executado, e o acusado tomará sua casa".[1]

O código é muitas vezes indicado como o primeiro exemplo do conceito legal de que algumas leis são tão básicas que mesmo um rei não pode modificá-las. Ao escrever as leis na pedra, elas se tornaram imutáveis. Este conceito existe em vários sistemas jurídicos modernos e deu origem à expressão em língua inglesa written in stone (escrito na pedra). No entanto, para alguns investigadores da história, o fato de gravar escritos em pedras não implica propriamente a perpetuação da mensagem e sim na facilidade oferecida pelo autor aos menos letrados de reproduzirem esses textos fiel e rapidamente. No caso da estela de Hamurabi em questão, viajantes de outras regiões, quando em passagem por Susa, tinham a oportunidade de obter cópias para serem lidas por escribas em suas aldeias e para isso normalmente utilizavam o processo similar ao de xilogravura, transcrevendo diretamente da estela para o papel ou papiro, que com o passar do tempo e o uso, por se tratar de material perecível, se perderam, permanecendo apenas essas matrizes de pedra para contar a origem das leis.

Outras coleções de leis incluem os códigos de Ur Nammu, rei de Ur (cerca de 2050 a.C.), o código de Eshnunna (cerca de 1930 a.C.) e o código de Lipit-Ishtar de Isin (cerca 1870 a.C.).

É um dos mais antigos conjuntos de leis escritas já encontrados, e um dos exemplos mais bem preservados deste tipo de documento da antiga Mesopotâmia. Segundo os cálculos, estima-se que tenha sido elaborado pelo rei Hamurabi por volta de 1700 a.C.. Foi encontrado por uma expedição francesa em 1901 na região da antiga Mesopotâmia correspondente a cidade de Susa, atual Irã.

É um monumento monolítico talhado em rocha de diorito, sobre o qual se dispõem 46 colunas de escrita cuneiforme acádica, com 282 leis em 3600 linhas. A numeração vai até 282, mas a cláusula 13 foi excluída por superstições da época. A peça tem 2,25 m de altura, 1,50 metro de circunferência na parte superior e 1,90 na base.[1]

Diferenças da Torah[editar | editar código-fonte]

Algumas partes da Torah abordam aspectos mais apurados de algumas seções do código de Hamurabi que tem a ver com o direito de propriedade, e devido a isso alguns especialistas sugerem que os hebreus tenham derivado sua lei deste. No entanto, segundo a Torah, desde a época de Noé, já existiam sete preceitos (Sheva Mitzvót bnei Noach) que são transmitidos oralmente de uma geração a outra,e que posteriormente foram escritas na Torah, que por sua vez prega 613 preceitos apenas para os judeus, enquanto que os outros povos continuaram obrigados a cumprir aqueles sete preceitos. Portanto era de se esperar que alguém possa ter escrito algo que já existia de forma oral.

Código de Hamurábi Torah
Pena de morte para roubo de templo ou propriedade estatal, ou por aceitação de bens roubados. (Seção 6) Roubo punido por compensação à vítima. (Ex. 22:1-9)
Morte por ajudar um escravo a fugir ou abrigar um escravo foragido. (Seção 15, 16) "Você não é obrigado a devolver um escravo ao seu dono se ele foge do dono dele para você." (Deut. 23:15)
Se uma casa mal-construída causa a morte de um filho do dono da casa, então o filho do construtor será condenado à morte (Seção 230) "Pais não devem ser condenados à morte por conta dos filhos, e os filhos não devem ser condenados à morte por conta dos pais." (Deut. 24:16)
Mero exílio por incesto: "Se um senhor (homem de certa importância) teve relações com sua filha, ele deverá abandonar a cidade." (Seção 154) Extirpação por incesto. (Lev. 18:6, 29)
Distinção de classes em julgamento: Severas penas para pessoas que prejudicam outras de classe superior. Penas médias por prejuízo a membros de classe inferior. (Seção 196–;205) Não farás acepção da pessoa pobre, nem honrarás o poderoso. (Lev. 19:15)

Referências

  1. a b c "A solução das disputas", pelo historiador Luiz Marques para a revista História Viva, nº 50 Os artigos do Código de Hamurabi descreviam casos que serviam como modelos a serem aplicados em questões semelhantes. Para limitar as penas, o Código anotou o princípio de Talião, sinônimo de retalhação. Por esse princípio, a pena por esse principio, a pena não seria uma vingança desmedida, mas proporcional à ofença cometida pelo criminoso. E sendo assim "olho por olho, dente por dente"
  • Oppert & Menant (1877). Documents juridiques de l'Assyrie et de la Chaldee. Paris.
  • Kohler, J. & Peiser, F.E. (1890). Aus dem Babylonischen Rechtsleben. Leipzig.
  • Falkenstein, A. (1956–;57). Die neusumerischen Gerichtsurkunden I–;III. München.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Código de Hamurabi


Conteúdo da Wikipedia está licenciado sob a: GFDL License
Powered by YouTube