Baixo-alemão – Wikipédia, a enciclopédia livre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Baixo-alemão
Outros nomes: Niederdeutsch, Plattdeutsch, Plattdüütsch ou Nedersaksisch
Falado em: Alemanha, Países Baixos, minorias em Brasil, Canadá, Estados Unidos, Rússia e Uruguai
Total de falantes: 5 milhões
Família: Indo-europeia
 Germânica
  Germânica ocidental
   Baixo-alemão
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: nds
ISO 639-3: nds
Baixo-alemão.

O baixo-alemão (Niederdeutsch, Plattdeutsch ou Plattdüütsch, em alemão e Nederduits em neerlandês) é o conjunto das línguas (hoje em boa parte consideradas dialectos) que pertencem à área dialectal das línguas germânicas ocidentais faladas no norte da Alemanha e no leste dos Países Baixos. O baixo-alemão, em muitos aspetos, é parecido com a língua inglesa e o frísio.

O baixo-alemão é fragmentado em vários grupos linguísticos. A língua é reconhecida e protegida como língua minoritária desde 1994 pela Comunidade Europeia. Desde maio de 2000 seu código oficial segundo a norma ISO 639-2 é nds.

O termo Platt ("plano", "baixo" em português) refere-se às regiões geograficamente baixas do norte da Alemanha e de partes vizinhas do norte da Europa.

O baixo-alemão desenvolveu-se a partir do saxão antigo e do baixo-alemão médio falado pela maioria dos cidadãos da Liga Hanseática.

Esta língua forneceu muitos empréstimos às línguas nórdicas, mas quando a Liga Hanseática perdeu a sua importância na região, a sua influência diminuiu igualmente.

O baixo-alemão no Brasil[editar | editar código-fonte]

O Colégio Estadual Fritz Kliewer, na Colônia Witmarsum (Paraná), ensina não só em português como também em Plautdietsch.[1]

O alemão pomerano, que é uma variedade do baixo-alemão, também chamado de Pommersch, Pommerschplatt ou Pommeranisch, é falado em várias regiões do Brasil, especialmente nos estados meridionais, no estado de São Paulo e no estado do Espírito Santo. As localidades mais conhecidas do Brasil onde prevalecem o bilingüismo pomerano-português é em Santa Maria de Jetibá, no Espírito Santo, em Pomerode, Santa Catarina, em Espigão d'Oeste, Rondônia, e São Lourenço do Sul, Rio Grande do Sul. Uma das localidades onde falava-se o baixo-alemão é Dona Otília, localizada no município de Roque Gonzales, Região das Missões, no noroeste do Rio Grande do Sul, e na Colônia Witmarsum, a 60km de Curitiba, Paraná, onde ainda é usado paralelo ao português.

O baixo-alemão também é falado por grupos minoritários estabelecidos em outros países da América do Sul e da América do Norte, especialmente em comunidades religiosas como a Menonita. No Brasil, além da presença das comunidades menonitas, tradicionalmente, o baixo-alemão tem sido falado por pessoas partidárias da confissão luterana.Além do pomerano há o Hunsrückisch e o tirolês falado em Treze Tílias (ou Dreizenlinden), Santa Catarina, uma localidade estabelecida por famílias austríacas.

Dialetos[editar | editar código-fonte]

Entre os dialetos, incluem-se:

Referências[editar | editar código-fonte]

  • [1] Low Saxon, A language of Germany , acesso em: 22 de junho de 2007

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Baixo-alemão


Powered by YouTube
Conteúdo da Wikipedia está licenciado sob a: GFDL e Creative Commons