Play Video
1
What is an Adenoma? | Dr. Marks
What is an Adenoma? | Dr. Marks
::2012/03/26::
Play Video
2
adenoma
adenoma
::2010/02/05::
Play Video
3
Histopathology Salivary gland--Pleomorphic adenoma (mixed tu
Histopathology Salivary gland--Pleomorphic adenoma (mixed tu
::2007/05/14::
Play Video
4
ADENOMA HIPOFISARIO.mov
ADENOMA HIPOFISARIO.mov
::2012/03/06::
Play Video
5
Pleomorphic Adenoma - Parotidectomy
Pleomorphic Adenoma - Parotidectomy
::2010/04/24::
Play Video
6
Adenoma ipofisario
Adenoma ipofisario
::2013/03/27::
Play Video
7
Histopathology Colon --Tubular adenoma (adenomatous polyp)
Histopathology Colon --Tubular adenoma (adenomatous polyp)
::2007/05/09::
Play Video
8
Thyroid Cancer: Adenoma, Papillary, Follicular, Medullary, Anaplastic for USMLE Step 1
Thyroid Cancer: Adenoma, Papillary, Follicular, Medullary, Anaplastic for USMLE Step 1
::2014/07/12::
Play Video
9
Adenoma Pleomórfico Parte2
Adenoma Pleomórfico Parte2
::2012/11/10::
Play Video
10
Pituitary Adenoma
Pituitary Adenoma
::2010/06/16::
Play Video
11
Colonoscopia: Polipectomía Endoscópica de una adenoma del colon
Colonoscopia: Polipectomía Endoscópica de una adenoma del colon
::2011/09/12::
Play Video
12
ADENOMA PLEOMORFO DE GLÁNDULA PARÓTIDA.
ADENOMA PLEOMORFO DE GLÁNDULA PARÓTIDA.
::2013/08/29::
Play Video
13
pituitary adenoma, endoscopic endonasal, Demo
pituitary adenoma, endoscopic endonasal, Demo
::2009/12/29::
Play Video
14
Pleomorphic Adenoma
Pleomorphic Adenoma
::2014/01/06::
Play Video
15
adenoma pleomorfo de glandula parotida.wmv
adenoma pleomorfo de glandula parotida.wmv
::2010/04/25::
Play Video
16
Histopathology Colon--Villous adenoma
Histopathology Colon--Villous adenoma
::2007/05/09::
Play Video
17
Adenoma Hipofisiario  HD.flv
Adenoma Hipofisiario HD.flv
::2012/04/04::
Play Video
18
Histopathology Thyroid --Follicular adenoma (microfollicular
Histopathology Thyroid --Follicular adenoma (microfollicular
::2007/05/15::
Play Video
19
Adenoma perianal
Adenoma perianal
::2011/06/19::
Play Video
20
Removal of Parathyroid Adenoma, parathroidectomy
Removal of Parathyroid Adenoma, parathroidectomy
::2010/10/18::
Play Video
21
Colon tubular adenoma demonstrating low grade dysplasia / Microscopic diagnosis
Colon tubular adenoma demonstrating low grade dysplasia / Microscopic diagnosis
::2011/03/31::
Play Video
22
Adenoma hepático: Resección laparoscópica.
Adenoma hepático: Resección laparoscópica.
::2010/10/24::
Play Video
23
Intervento Adenoma prostatico - Thulium Laser - Prof.Giovanni Muto
Intervento Adenoma prostatico - Thulium Laser - Prof.Giovanni Muto
::2011/06/12::
Play Video
24
Histopathology Pituitary--Acidophilic adenoma
Histopathology Pituitary--Acidophilic adenoma
::2007/05/14::
Play Video
25
Histopathology Colon --Adenomatous polyp (tubular adenoma) w
Histopathology Colon --Adenomatous polyp (tubular adenoma) w
::2007/05/09::
Play Video
26
ADENOMA DE PARATIROIDES  - TECNICA QUIRURGICA - 399
ADENOMA DE PARATIROIDES - TECNICA QUIRURGICA - 399
::2014/05/07::
Play Video
27
Hepatic Cancers (Hepatocellular Carcinoma, Hepatic Adenoma, Cavernous Hemangioma, Angiosarcoma)
Hepatic Cancers (Hepatocellular Carcinoma, Hepatic Adenoma, Cavernous Hemangioma, Angiosarcoma)
::2014/08/08::
Play Video
28
Controversies in the Management of Parotid Tumors – Management of Recurrent Pleomorphic Adenoma
Controversies in the Management of Parotid Tumors – Management of Recurrent Pleomorphic Adenoma
::2014/09/25::
Play Video
29
Adenoma Recreativa
Adenoma Recreativa
::2011/10/18::
Play Video
30
Adenoma o tumor de próstata, seccionando el tejido prostático
Adenoma o tumor de próstata, seccionando el tejido prostático
::2013/04/12::
Play Video
31
Histopathology Parathyroid--Oxyphil adenoma
Histopathology Parathyroid--Oxyphil adenoma
::2007/05/14::
Play Video
32
Histopathology Adrenal--Cortical adenoma
Histopathology Adrenal--Cortical adenoma
::2007/05/07::
Play Video
33
ADENOMA PLEOMORFO.wmv
ADENOMA PLEOMORFO.wmv
::2011/06/19::
Play Video
34
Histopathology Colon--Tubular adenoma
Histopathology Colon--Tubular adenoma
::2007/05/09::
Play Video
35
Diagnosing and Treating Pituitary Adenomas: A Multidisciplinary Approach
Diagnosing and Treating Pituitary Adenomas: A Multidisciplinary Approach
::2013/04/10::
Play Video
36
ESD Closure- Rectal Adenoma
ESD Closure- Rectal Adenoma
::2014/05/08::
Play Video
37
Excision of pleomorphic adenoma in the parotid.wmv
Excision of pleomorphic adenoma in the parotid.wmv
::2012/01/08::
Play Video
38
Subfrontal Approach and Resection of Pituitary Adenoma (by Tigran Khachatryan)
Subfrontal Approach and Resection of Pituitary Adenoma (by Tigran Khachatryan)
::2012/05/27::
Play Video
39
Colonoscopy Channel - EMR of sessile serrated adenoma
Colonoscopy Channel - EMR of sessile serrated adenoma
::2012/11/23::
Play Video
40
Adenoma hepático: ressecção hepática com CUSA (Hepatic adenoma: hepatic resection with CUSA)
Adenoma hepático: ressecção hepática com CUSA (Hepatic adenoma: hepatic resection with CUSA)
::2014/10/23::
Play Video
41
Pituitary adenoma
Pituitary adenoma
::2014/10/04::
Play Video
42
ADENOMA PROSTATICO
ADENOMA PROSTATICO
::2013/07/19::
Play Video
43
Transnasal  transsphenoidal pituitary adenoma surgery
Transnasal transsphenoidal pituitary adenoma surgery
::2014/11/13::
Play Video
44
Rzayev R.M. Carcinoma ex pleomorhic adenoma.
Rzayev R.M. Carcinoma ex pleomorhic adenoma.
::2011/03/22::
Play Video
45
Adenoma
Adenoma
::2014/09/29::
Play Video
46
Endoscopic Removal of a Large Villous Adenoma of Rectosigmoid
Endoscopic Removal of a Large Villous Adenoma of Rectosigmoid
::2014/05/04::
Play Video
47
Adenoma  -  Pulgar
Adenoma - Pulgar
::2008/07/21::
Play Video
48
ADENOMA ANAL EN UN PERRO. CIRUGÍA MIRAFLORES DEL PALO
ADENOMA ANAL EN UN PERRO. CIRUGÍA MIRAFLORES DEL PALO
::2009/11/12::
Play Video
49
parotidectomy pleomorphic adenoma ORL CHU Montpellier FRANCE.mov
parotidectomy pleomorphic adenoma ORL CHU Montpellier FRANCE.mov
::2010/07/11::
Play Video
50
Endoscopic Polypectomy of a Rectal Tubular Adenoma
Endoscopic Polypectomy of a Rectal Tubular Adenoma
::2009/03/15::
MAIS >>
RESULTADOS [51 .. 101]
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adenoma
Microfotografia de um adenoma tubular (à esquerda da imagem), um tipo de pólipo do cólon e um precursor do câncer colorretal. A mucosa normal colorretal é vista do lado direito da imagem. Coloração H&E
Classificação e recursos externos
CID-10 D12, D35.0, D34, D35.2 e outros
CID-9 211.3, 211.5,223.0, 226, 227.0,
MeSH D000236
Star of life caution.svg Aviso médico

Um adenoma é uma coleção de crescimentos (-oma) de origem glandular. Os adenomas podem crescer de muitos órgãos inclusive o cólon, adrenal, hipófise, tiróide, etc. Estes crescimentos são benignos, embora com o passar do tempo eles podem progredir e ficar malignos. Nesse estágio, eles são chamados adenocarcinomas. Embora os adenomas sejam benignos, eles têm o potencial para causar complicações de saúde sérias comprimindo outras estruturas (efeito de massa) e produzindo quantias grandes de hormônios de uma maneira desregulada (síndrome paraneoplásica).

Histopatologia[editar | editar código-fonte]

Adenoma é um tumor de tecido epitelial benigno que surge no epitélio da mucosa (estômago, intestino delgado, e intestino grosso), glândulas (endócrinas e exócrinas), e tubos. Em órgãos ocos (área digestiva), o adenoma cresce acima no lúmen. Dependendo do tipo da base de inserção, o adenoma pode ser lobular de pedunculatado e encabeça com um talo esbelto longo, coberto pela mucosa normal ou sessile (base larga).

Locais[editar | editar código-fonte]

Cólon[editar | editar código-fonte]

Adenomas do cólon são bastante prevalecentes. Eles são achados comumente na colonoscopia. Eles são removidos por causa da tendência de ficarem malignos e conduzirem a um câncer de cólon.

Renal[editar | editar código-fonte]

Este é um tumor que é freqüentemente pequeno e assimtomático, e se derivou dos túbulos renais. Pode ser uma lesão de precursor a carcinoma renal.

Adrenal[editar | editar código-fonte]

Adenomas adrenais são comuns, e são achados freqüentemente no abdômen, normalmente não como o foco de investigação; eles são achados normalmente acidentalmente. Aproximadamente um em 10 000 é maligno. Assim, uma biópsia raramente é pedida, especialmente se a lesão for homogênea e menor que 3 centímetros. Imagens de seguimento em três a seis meses podem confirmar a estabilidade do crescimento.

Enquanto algum adenomas adrenais não secretam hormônios, alguns secretam cortisol, causando síndrome de Cushing, aldosterona que causa a síndrome de Conn, ou andrógeno que causam hiperandrogenismo.

Tiróide[editar | editar código-fonte]

São achados nódulos tiróides solitários em aproximadamente uma em 10 pessoas. A investigação é necessária porque uma percentagem pequena destes é maligna. Biópsia normalmente confirma o crescimento para ser um adenoma, mas, às vezes, a remoção na cirurgia é necessária, especialmente quando as células achadas na biópsia forem do tipo folicular.

Hipófise[editar | editar código-fonte]

São vistos adenomas na hipófise comumente em 10% dos pacientes neurológicos. Muito deles permanecem sem diagnóstico. O tratamento é normalmente cirúrgico para qual os pacientes geralmente respondem bem. O subtipo mais comum, prolactinoma, é visto mais freqüentemente em mulheres, e comumente é diagnosticado durante gravidez pois a progesterona aumenta seu crescimento. Bromocriptina] de terapia médica geralmente suprime prolactinomas; terapia de antagonista de progesterona não provou ter êxito.

Fígado[editar | editar código-fonte]

Adenoma Hepatocelular, adenomas hepáticos são tumores benignos e raros do fígado que podem apresentar hepatomegalia ou outros sintomas.

Mama[editar | editar código-fonte]

São chamados de fibroadenomas. Eles são freqüentemente muito pequenos e difíceis descobrir. Freqüentemente não há nenhum sintoma. Tratamentos podem incluir uma biópsia de agulha, remoção ou ambos.

O fibroadenoma é o tumor benigno mais comum da mama feminina e ocorre durante a idade fértil. É composto por estroma fibroso e glândulas. Alguns fibroadenomas correspondem a hiperplasias, mas muitos são neoplasias benignas verdadeiras, originadas no estroma intralobular da mama. Nestes casos, as células da parte conjuntiva do tumor são monoclonais, as da parte epitelial são policlonais. Isto indica que estas últimas não são propriamente neoplásicas, mas proliferam em resposta a estímulos químicos secretados pelas células do estroma. (Durante muito tempo se pensou que o fibroadenoma era um tumor misto com duas linhagens de células neoplásicas; hoje isto não é mais aceito).

O tumor forma um nódulo bem delimitado do tecido mamário adjacente, notando-se uma delicada cápsula fibrosa. Na microscopia, o componente epitelial forma túbulos ramificados e dilatados, em meio ao estroma. Comparar com o tecido mamário vizinho, onde as glândulas se organizam em lóbulos, o que não ocorre no fibroadenoma. No fibroadenoma, o estroma é frouxo, composto por células estreladas separadas por material intersticial levemente basófilo. O aspecto lembra o do estroma intralobular do lóbulo mamário normal, onde o tumor se origina. No componente epitelial do fibroadenoma pode-se observar a dupla população celular (células epiteliais e mioepiteliais) como no tecido mamário normal. As células epiteliais secretam o leite (nos lóbulos) ou o conduzem (nos ductos). As células mioepiteliais são contráteis, ajudando a extrusão do produto. A dupla população é um importante elemento a favor da benignidade do tumor, pois mostra que as células se diferenciam em dois tipos topograficamente relacionados entre si. Num tumor maligno as células tendem a ser indiferenciadas, isto é anárquicas, sem relações topográficas ou funcionais definidas umas com as outras. Ver a este respeito a lâmina de carcinoma da mama

Apêndice[editar | editar código-fonte]

Adenomas também podem aparecer no apêndice. A condição é extremamente rara, e a maioria dos médicos nunca encontrará um caso, mas eles acontecem. A versão mais comum é chamada cistadenoma. Eles normalmente são descobertos no curso de exame do tecido que segue um apendicectomia. Se o apêndice rompeu e um tumor está presente, isto apresenta desafios, especialmente se células malignas forem formadas e esparramarem-se ao abdômen.

Conteúdo da Wikipedia está licenciado sob a: GFDL License
Powered by YouTube